Hipertensão ocular pode acelerar o envelhecimento



Tal como a maioria das partes do corpo humano, os nossos olhos deterioram-se gradualmente ao longo do tempo. Um novo estudo mostra agora como o stress pode acelerar este processo de envelhecimento, uma descoberta que nos pode ajudar a tratar problemas oculares que se desenvolvem à medida que envelhecemos, incluindo o grupo de doenças responsáveis pela perda de visão conhecido como glaucoma.

Apesar de a investigação se basear em testes realizados em ratos, a equipa considera provável que os mesmos princípios se apliquem também aos humanos.

Uma consequência comum do stress psicológico mesmo no mais saudável dos seres humanos é um aumento da pressão intraocular (também conhecida como hipertensão ocular), ou a pressão do fluido no olho. Conhecida como estando ligada ao desenvolvimento do glaucoma, parece que o stress fisiológico da pressão intraocular elevada pode também estar ligado a marcadores de envelhecimento biológico, que podem aparecer como alterações nas etiquetas moleculares no ADN e proteínas que controlam quais os genes que são ligados ou desligados.

“As alterações epigenéticas que observámos sugerem que as alterações no nível de cromatina são adquiridas de forma acumulativa, após vários casos de stress”, diz a oftalmologista Dorota Skowronska-Krawczyk, da Universidade da Califórnia, Escola de Medicina de Irvine (UCI).

“Isto proporciona-nos uma janela de oportunidade para a prevenção da perda de visão, se e quando a doença for reconhecida cedo”, acrescenta.

A equipa olhou para a cabeça do nervo ótico dos olhos do rato – o local onde as células da retina na parte de trás do olho convergem para formar o nervo que vai para o cérebro – no qual a pressão tinha sido artificialmente elevada. Em ratos mais jovens, havia pouca diferença quando comparados com os animais de controlo, mas em ratos mais velhos aqueles com uma pressão ocular ligeiramente elevada mostraram uma perda de axónios ou fibras nervosas, o que também acontece com casos de glaucoma.

Por outras palavras, os ratos mais velhos pareciam mais suscetíveis a alterações da pressão nos olhos, o que leva a danos causados por inflamação e a uma perda gradual da função celular que normalmente levaria anos a desenvolver-se naturalmente.

Nos humanos, esta pressão não é fixa, mas oscila ao longo do dia. Flutuações mais extremas e prolongadas foram anteriormente associadas à progressão do glaucoma, e os investigadores por detrás do novo estudo pensam que o efeito cumulativo destas flutuações – e a pressão que exercem sobre o olho – é responsável pelo envelhecimento do tecido.

“O nosso trabalho mostra que mesmo a elevação moderada da PIO hidrostática resulta na perda de células ganglionares da retina e nos correspondentes defeitos visuais quando realizada em animais envelhecidos”, diz Skowronska-Krawczyk.

“Continuamos a trabalhar para compreender o mecanismo de alterações cumulativas no envelhecimento, a fim de encontrar potenciais alvos para a terapêutica. Estamos também a testar diferentes abordagens para prevenir o processo de envelhecimento acelerado resultante do stress”.

Agora que detetaram estas mudanças induzidas pela pressão, os investigadores pensam poder usá-la como uma forma de avaliar a idade epigenética do tecido no olho – a quantidade de desgaste, essencialmente – e através disso tornar os tratamentos mais direcionados e mais personalizados para os pacientes individuais.

Para além do stress psicológico, há uma série de outros fatores que podem fazer aumentar a pressão no interior do olho, desde a genética ao traumatismo ocular, passando pelos medicamentos. Tendo um meio de estudar o  impacto da hipertensão ocular poderia salvar a visão de milhões de pessoas.

À medida que a população mundial envelhece, espera-se que os casos de glaucoma aumentem, podendo chegar aos 110 milhões em 2040. Se não forem tratados, estas condições podem eventualmente levar à cegueira.

Embora não haja maneira de reverter completamente os danos causados pelo glaucoma, este pode ser gerido – e ser capaz de o detetar (e as causas que o levam a isso mais cedo) faria uma diferença significativa na perda da visão.

“O nosso trabalho enfatiza a importância do diagnóstico precoce e da prevenção, bem como da gestão das doenças relacionadas com a idade, incluindo o glaucoma”, conclui Skowronska-Krawczyk.

 



Notícias relacionadas

loading...

Comentários estão fechados.