Inger Andersen, ONU: “Não há vacina para as mudanças climáticas”

“A dura verdade é que a mudança climática está sobre nós”, disse Inger Andersen, diretora executiva do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). “Os seus impactos intensificar-se-ão e atingirão mais fortemente os países e comunidades vulneráveis – mesmo que cumpramos as metas do Acordo de Paris de manter o aquecimento global neste século bem abaixo de 2°C e perseguir 1,5°C.”

Mesmo a meta de 2°C (3,6°F) consagrada no acordo climático global pode parecer um pensamento ambicioso. O planeta deve aquecer 3°C acima dos níveis pré-industriais apenas neste século, com 2020 empatado com 2016 como o ano mais quente já registado.

No entanto, mais de um quarto dos países ainda não tem um único instrumento de planeamento a nível nacional. Não há apenas falta de políticas adequadas, mas também grandes deficiências de financiamento.

Em meados do século, os custos de adaptação podem chegar a 500 mil milhões de dólares apenas para os países em desenvolvimento. Os países desenvolvidos são responsáveis pela maioria das emissões históricas de carbono e devem desempenhar um papel maior na mitigação da crise climática.

O financiamento está atualmente muito aquém do que os especialistas dizem ser necessário, 30 mil milhões de dólares por ano, ou apenas 5% do fundo total reservado para combater as mudanças climáticas. Este último em si é considerado muito pouco para afastar os riscos colocados pelas mudanças climáticas.

O COVID-19 também tornou as mudanças climáticas na lista de prioridades para a maioria dos países. “Não há vacina para as mudanças climáticas”, disse Andersen. Embora alguns progressos tenham sido feitos, não se traduziu em resiliência real contra os impactos das mudanças climáticas, que vão desde incêndios florestais, secas, inundações até o aumento do nível do mar. Menos de cinco em cada 100 projetos de adaptação renderam benefícios até o momento, constatou uma pesquisa com 1.700 projetos.

Embora todos concordem que a mudança climática representa um desafio global, especialistas enfatizam que a adaptação a essas mudanças terá que acontecer em muitos níveis. As medidas de adaptação incluem a instalação de informações climáticas e sistemas de alerta antecipados, a salvaguarda das pessoas nas áreas afetadas e os investimentos verdes.

Ao mesmo tempo, há uma ênfase crescente na contratação de soluções baseadas na natureza que melhoram simultaneamente o meio ambiente e o bem-estar humano. Investir em iniciativas de adaptação poderia render retornos três vezes maiores que o custo, estimou a Comissão Global de Adaptação.

“Quanto mais mitigarmos, menos teremos que nos adaptar, e os custos de adaptação serão muito, muito menores”, disse Henry Neufeldt, chefe de avaliação de impacto e adaptação do PNUMA.

No entanto, ao contrário das metas de redução de emissões que fazem parte do Acordo de Paris, não há metas comparáveis para adaptação. “Não sabemos exatamente quanto financiamento de adaptação é necessário porque as metas não são claras. Não há meta acordada sobre adaptação em nível nacional e global”, disse Neufeldt.

Apesar disso, as autoridades da ONU enfatizaram que há uma enorme escassez de financiamento e que há a necessidade de distribuir os fundos disponíveis para refletir a gravidade das ameaças.

“Precisamos de um compromisso global de colocar metade de todas as finanças climáticas globais para adaptação no próximo ano”, disse Andersen. “Isso permitirá um grande avanço na adaptação — em tudo, desde sistemas de alerta antecipado até recursos hídricos resilientes até soluções baseadas na natureza.”

Texto publicado originalmente no site Mongabay.com e publicado no Green Savers ao abrigo da parceria Covering Climate Now, uma colaboração de jornalismo global para notícias sobre o clima

 

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...