Interessado em fazer compostagem em casa? A CML dá uma ajuda

Quatro mil compostores domésticos estarão à disposição dos munícipes lisboetas já a partir de 2018. Para ter direito a esta iniciativa, os munícipes apenas terão de habitar em casas com jardim, numa iniciativa que faz parte do programa de prevenção de resíduos do executivo lisboeta.

Uma vez que o lixo orgânico é a maior fatia de lixo produzido pelas famílias lisboetas, Duarte Cordeiro, vice-presidente da Câmara de Lisboa, acredita que ao recuperar esse lixo, “nomeadamente para fazer adubos, conseguimos ganhos imediatos, pois é menos lixo que temos de pagar para tratar ou queimar”, declarou à Lusa.

Paralelamente à entrega destes compostores, os interessados terão ainda oportunidade de frequentar várias acções de formação relacionadas com o tema.

Mas há mais novidades no que diz respeito a processos de reciclagem a acontecer na capital. O lançamento do procedimento para o projecto de construção de um ecocentro em Lisboa está já agendado para 2018, numa “grande instalação onde todas as famílias e empresas poderão recorrer e que terá todas as linhas de reciclagem”.

Nas palavras do vereador socialista, este será um espaço “onde se pode reciclar o máximo de resíduos que se conseguir”, caso de madeiras ou lâmpadas. Monitorizar o consumo efectivo de resíduos de cada família, identificar os pontos onde podem reduzir e recompensar quem mais recicla são apenas algumas das valências do novo espaço a inaugurar em 2019.

Foto: via Creative Commons