Sabia que existe um Banco Mundial de Sementes escondido no Ártico?

Ali são colocadas as sementes e plantas de todo o mundo para que, em caso de catástrofe ou guerra nuclear, por exemplo, as plantas estejam preservadas e fique em segurança o material genético vegetal.

A estrutura, financiada e gerida pela Noruega, foi construída em 2008 para constituir uma reserva que garantisse a diversidade genética das culturas. Mais de um milhão de espécies e variedades de sementes importantes para a nutrição humana e animal são armazenadas em prateleiras dispostas ao longo de grandes pavilhões. Vêm de todo o mundo e são armazenados em sacos contendo cada um algumas centenas de exemplares da mesma espécie. São mantidos a uma temperatura constante de -18°C e a 150 metros de profundidade.

As Ilhas Svalbard foram escolhidas porque são bastante isoladas, mas facilmente alcançáveis com um voo regular, além disso, a Noruega é um país politicamente estável, razoavelmente abrigado de guerras e revoltas. Por fim, nas ilhas existem condições climáticas ideais para a conservação das sementes durante um longo período.
Cada país do mundo pode enviar as suas próprias sementes e manter-se proprietário delas, podendo recorrer à sua recolha caso os bancos de sementes no seu território tenham sido destruídos. Portugal está entre os contribuintes, tendo já enviado 100Kg de milho para o cofre, de uma colheita dos anos 1970, armazenado em Braga. O país é o responsável pelas reservas mediterrânicas do milho.

Ao todo, o banco tem depositado mais de 900 mil amostras de sementes de todo o mundo. Em 2013, graças a este stock de sementes, foram reabastecidos os bancos de Marrocos e Líbano, devido à destruição do banco central na Síria, como consequência da guerra civil.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...