Kiribati: o paraíso à espera de ser engolido pelo mar

Já se disse que Kiribati, um Estado composto por 33 ilhas no meio do Pacífico, algum dia vai virar uma Atlântida, e que seus habitantes ficarão irremediavelmente submersos pelas águas do oceano. Um relatório da ONU alertava, já em 1989, que este seria o primeiro país a ser dizimado pela mudança climática no século XXI, devido à elevação do nível dos mares.
Segundo os mais de 800 especialistas que integram o Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, organismo internacional agraciado com o Nobel da Paz em 2007, muitas ilhas do Pacífico tendem a desaparecer pelo simples facto de que a subida do nível das águas na região é de 12 milímetros por ano, o quadruplo do que sucede no resto do globo. O fenómeno, causado pelo aquecimento global, prejudica tanto a erosão do litoral do arquipélago como a contaminação dos seus lençóis de água potável.
O Presidente do Kiribati já disse que o seu país tem os dias contados: “Se nada for feito, vamos afundar-nos no oceano. Por volta de 2030 a nossa existência vai acabar por fases. Primeiro, as fontes de água potável; depois as árvores de fruto vão ser mortas pela água salgada”. Kiribati tornou-se independente do Reino Unido em 1979, designando-se até então por  ‘Ilhas Gilberts’, em honra do explorador britânico Thomas Gilberts. ‘Kiribati’ é a pronúncia local de ‘Gilberts’.
“As alterações climáticas estão a tornar o tempo muito quente. As chuvas são poucas. Quando há maré alta sabemos que sobe muito mais que antes”, conta Tataio, uma habitante de Kiribati, citado pela imprensa internacional.
Notícias relacionadas
Comentários
Loading...