Larva-da-farinha pode servir como fonte de proteína, indica novo estudo

A população mundial continua a aumentar, e a escassez de alimentos é, cada vez mais, uma realidade.

De acordo com um novo estudo publicado no Journal of Insects as Food and Feed revelou que as larvas-da-farinha podem ser uma fonte alternativa de proteína para animais e, possivelmente, humanos.

O crescimento populacional nos países em desenvolvimento levou a uma escassez de fontes de proteína, levando os cientistas a procurar opções alternativas. O novo estudo, conduzido pela Indiana University – Purdue University Indianapolis (IUPUI), propõe as larvas-da-farinha como fonte de alimento.

Christine Picard, professora associada de biologia e diretora do Programa de Ciências Investigativas Forenses da IUPUI School of Science, liderou a investigação. O estudo concentrou-se na análise do genoma de uma espécie de larva-da-farinha conhecida como tenebrio molitor.

Os resultados explicam que esta larva pode oferecer vários benefícios agrícolas. Peixes e pássaros domésticos podem usar os vermes como fonte alternativa de proteína. Os vermes também podem ajudar a produzir fertilizantes orgânicos, com os seus resíduos ricos em nutrientes.

A investigação do genoma da larva-da-farinha empregou uma tecnologia de leitura vinculada ao cromossoma 10X. Os investigadores indicam que esta informação está disponível para uso por aqueles que quiserem utilizar o DNA para otimizar larvas-da-farinha para produção em massa. De acordo com Picard, a pesquisa da IUPUI lidou com a parte desafiadora, abrindo portas para as partes interessadas.

Como os peixes se alimentam destas larvas, os cientistas propõem a adoção dessas larvas para a criação de peixes. Segundo os mesmos cientistas, as indústrias de alimentos para animais de estimação podem utilizar os vermes como fonte de proteína suplementar, ou mesmo para alimentação humana.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...