com o apoio
em modo Escuro poderá poupar até 30% de energia. Saiba mais

Mercado mexicano tem telhado feito de “guarda-chuvas” que iluminam e refrescam

O Colectivo C733, com sede no México, concluiu um mercado público na Cidade do México, que apresenta guarda-chuvas triangulares-trapezoidais pré-fabricados no telhado para ganhar luz do dia e facilitar a saída de ar quente através destes módulos de telhado gigantes.

Chamado de Mercado Matamoros, o mercado de 2.868 metros quadrados está localizado numa área residencial nos arredores da cidade de Matamoros em Tamaulipas, México.

O sistema de cobertura trapezoidal gigante diferencia este mercado, pois o edifício também oferece condições climáticas próprias para isolamento térmico e circulação de ar – o que foi resolvido com uma linguagem arquitetónica forte.

Como destacam os arquitetos, “a necessidade de proteção contra o clima quente e a falta de humidade derivam de arquétipos sólidos de proporções massivas”.

“O uso de pátios internos, materiais locais, ventilação cruzada, orientação e densidade da fachada para proteger da luz solar direta são algumas das suas principais características.”

O Mercado Matamoros foi projetado pelo Colectivo C733 – composto por um grupo de arquitetos; Gabriela Carrillo, Carlos Facio, Eric Valdez, Israel Espin, José Amozurrutia.

A equipa projetou este mercado em resposta a um concurso para criar projetos replicáveis ​​para uma série de instalações públicas iniciado pela SEDATU (Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Territorial) e hospedado pela Faculdade de Arquitetura da Universidade Nacional Autónoma do México (UNAM) em Março de 2019.

A competição pediu ideias para desenvolver protótipos em locais altamente vulneráveis ​​nas cidades da fronteira norte do México.

Com tempo e orçamento limitados (três meses para projeto executivo e três meses para construção), este mercado foi construído de dezembro de 2019 a março de 2020, mas a inauguração não tinha ainda sido concretizada concretizado devido à pandemia do coronavirus.

Para o projeto, os arquitetos pretendiam oferecer um sistema flexível para a comunidade, em vez de projetar um tipo específico de edifício. Como explica a equipa, o edifício deveria ter sido capaz de fortalecer os laços sociais e um sentimento de pertença, evocando o espírito dos mercados pré-hispânicos “parián” originais que alcançaram um equilíbrio perfeito.

“Por este motivo, consideramos três estratégias de projeto fundamentais: primeiro, os critérios construtivos, reduzimos a construção civil a 50% e deixamos os 50% restantes para técnicas pré-fabricadas leves”, disse o Colectivo C733.

“Em segundo lugar, adaptabilidade do material, para que a proposta seja adaptável a diferentes localizações do país. Terceiro, versatilidade espacial, de acordo com seu espírito flexível”.

“O caráter ambulatório dos mercados, a variação populacional por conta da migração e a falta de recursos de infraestrutura nas cidades de fronteira, deram o cenário para imaginar um espaço público de uso misto, com áreas verdes de lazer”, acrescentou a equipa.

O edifício está recuado da rua de forma a dar lugar a praças públicas e futuros jardins. O primeiro componente do edifício é a parede, lembrando as estruturas vernáculas sólidas e herméticas.

As suas aberturas geram um sistema de três corredores direcionais, conectando-se às instalações desportivas e recreativas vizinhas. Essa estrutura perimetral abriga quarenta stands comerciais e a área de serviços, servindo de encosto para proteger os stands das orientações mais quentes.

A “pele” de tijolo é reforçada por paredes transversais que separam arquibancadas e geram portais para o hall principal do projeto.

A cobertura única do prédio é estruturada com um sistema de módulos metálicos triangular-trapezoidais, abrindo distâncias de até nove metros e sustentados por postes de cinco polegadas de espessura. Esses telhados também são capazes de resistir a furacões ou inundações.

“A inclinação do telhado é calculada para reduzir a capacidade de carga e permitir o escoamento adequado para água e neve”, acrescentou a equipa.

O sistema construtivo da cobertura é feito de uma camada inferior de tijolo com 2cm de espessura para proporcionar isolamento térmico, enquanto a camada interna destes módulos é revestida por chapa galvanizada ideal para captação de águas pluviais e reflexão de calor.

Os domos lineares entre os módulos estruturais são projetados para facilitar o escape de ar quente e fornecer iluminação natural adequada durante o dia. Outro conjunto de quarenta arquibancadas “informais” de 3 por 3 metros, encontra-se sob este sistema estrutural que dá flexibilidade espacial para a comunidade.

No centro do mercado está o Oásis – um jardim, feito de vegetação local de clima seco, que é irrigado com a água da chuva colhida. Um pátio flexível que com o tempo crescerá uma vegetação mais densa para realçar o sombreamento natural, o controle térmico e fornecer um novo espaço silencioso na cidade.

“Os mercados são espaços não só de compra e venda de artigos do dia-a-dia, são uma síntese da cultura, da história de uma região e das relações comerciais com os seus vizinhos”, disse o Colectivo C733.

“Estes lugares têm historicamente abrigado todos os tipos de produtos, hábitos, tradições, expressões artísticas, conhecimento e visões de mundo.”

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...