Musgo esfagno, o “super-herói” que pode salvar comunidades de inundações



Cientistas do grupo de conservação “Moors for the Future Partnership”, que realizaram um estudo de seis anos sobre o musgo esfagno, descobriram que a sua plantação em zonas de montanha poderia abrandar drasticamente o ritmo a que a água escorre das encostas, impedindo que as bacias hidrográficas fossem inundadas com água a jusante, avança o “The Guardian”.

Segundo a mesma fonte, a investigação descobriu que o musgo esfagno reduziu o fluxo de pico – a quantidade máxima de água que entra num rio após uma tempestade – em 65%. Verificou-se também que o musgo aumentava em 680% o tempo de atraso – o tempo entre a chuva e a água que entra no sistema fluvial.

Mais de 50 mil plantas individuais de esfagno – que são do tamanho de uma moeda de 50 pence – foram plantadas em Kinder Scout, o ponto mais alto do Parque Nacional de Peak District, no Reino Unido, como parte de um “laboratório ao ar livre” para os investigadores observarem.

Antes de o musgo ser plantado em Kinder, a superfície do monte consistia em turfa vazia, o que significava que, após uma tempestade, a água das chuvas escoaria diretamente, deixando as comunidades nos vales a jusante mais vulneráveis às inundações.

Musgo absorve até 20 vezes o seu próprio peso em água

A plantação de musgo esfagno pode, assim, trazer importantes benefícios ecológicos. A planta é capaz de absorver até 20 vezes o seu próprio peso em água, o que significa que mais água da chuva pode ser retida a montante e entrar de forma gradual numa bacia hidrográfica do rio, para evitar que seja sobrecarregada. O musgo esfagno também pode ajudar a proteger as camadas de turfa por baixo, e acumular-se ao longo do tempo para criar camadas de turfa que são essenciais para o armazenamento de carbono.

Os investigadores afirmam que os benefícios da plantação do esfagno serão ampliados ao longo do tempo à medida que a planta cresce, e que a plantação de musgo tem o potencial de trazer benefícios globais em termos de clima, qualidade da água e gravidade das cheias.

Tom Spencer, responsável pela investigação explicou ao “The Guardian” que os resultados foram ” surpreendentes ” e saudou os efeitos impressionantes que o musgo tem tido na bacia hidrográfica do rio.

Segundo o responsável, a plantação de esfagno poderá ser “um instrumento poderoso para minimizar o risco e a gravidade das inundações”, o que teria “benefícios de longo prazo para as comunidades a jusante”.

Helen Noble, chefe executiva do Parque sublinhou ao jornal britânico que as descobertas “são notícias fantásticas para as comunidades mais vulneráveis às cheias nos Peninos do Sul”.



Notícias relacionadas

loading...

Comentários estão fechados.