com o apoio
em modo Escuro poderá poupar até 30% de energia. Saiba mais

Netflix promete tornar-se neutra em emissões até ao final de 2022

A Netflix, plataforma de streaming de filmes e séries conhecida mundialmente, decidiu dar o seu primeiro passo em prol da sustentabilidade e do objetivo do Acordo de Paris, de limitar o aquecimento global a 1,5ºC.

Em 2020 emitiu 1 milhão de toneladas métricas de carbono, sendo que metade correspondeu à produção de filmes e séries, e a outra grande parte às suas operações corporativas correspondenes aos escritórios e ao marketing.

É através da sua nova estratégia “Net Zero + Nature” que a empresa pretende diminuir a sua pegada ecológica e reduzir e compensar as suas emissões de gases de efeito de estufa, tornando-se neutra em carbono até ao final de 2020. Como tal, definiu três etapas iniciais:

  1. Reduzir as suas emissões a nível interno, mais propriamente dos escopos 1 e 2 em 45% até 2020;
  2. Reter o armazenamento de carbono, nomeadamente do Escopo 3, que não conseguem evitar, investindo em projetos que neutralizem essas emissões. Dão o exemplo de investimento em projetos de conversação das florestas tropicais e de áreas naturais de risco;
  3. Remover o carbono da atmosfera, através do investimento em projetos que promovem a regeneração de ecossistemas naturais críticos.

Para a sua ação a Netflix vai ter como guia a ciência e os dados transmitidos por várias organizações e instituições, nomeadamente, a Universidade de Oxford, a Science-Based Targets Initiative’s e o Lawrence Berkeley National Laboratory, entre outras, e por um grupo de especialistas que reuniu, onde fazem parte especialistas como Johan Rockström, Diretor do Potsdam Institute for Climate Impact Research e Marcene Mitchell, Vice-presidente das Alterações Climáticas da World Wildlife Fund (WWF).

“A indústria cinematográfica precisa de um líder no que diz respeito à ação climática. Mudar o mundo começa com uma empresa intensificando e inspirando outras a juntarem-se a ela. Estou emocionada com a forma como a Netflix está a assumir esse papel de liderança, informado tanto pela ciência física que explica como as nossas escolhas afetam o nosso mundo e as ciências sociais que explicam como podemos fazer a mudança acontecer.” afirma Katharine Hayhoe, cientista da organização The Nature Conservancy e professora da Universidade Texas Tech.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...