Novo sistema de navegação por satélite vai tornar as viagens aéreas mais eficientes



Os viagens aéreas vão tornar-se mais eficientes e amigos do ambiente. É o que garante o novo sistema Iris, desenvolvido em parceria pela Agência Espacial Europeia (ESA) e pela Inmarsat, que se espera implantar na Europa até 2023.

O Iris é um sistema de navegação por satélite que permite aos pilotos optar por rotas com menor número de emissões de CO2 e onde possam economizar combustível. A atualização do trajeto é feita continuamente durante os voos. Como explica a ESA, este “utiliza satélites para troca de dados com aeronaves, complementando o sistema de comunicação terrestre com relatórios digitais de posição, autorizações e condições da pista, enviados por satélites de telecomunicações entre cockpits e centros de controlo de tráfego aéreo”.

Foi por isso assinado ontem um Acordo, entre a Inmarsat e a European Satellite Services Provider (ESSP) – empresa que une os sete países europeus Portugal, Espanha, França, Alemanha, Itália, Suíça e Reino Unido -, no Congresso Mundial da Gestão do Tráfego Aéreo, em Madrid. Já foram realizados testes deste sistema em 2018, na Europa, e este ano, nos Estados Unidos, mas com este acordo será possível realizar as avaliações finais.

“O programa Iris é uma mudança no jogo para a indústria da aviação, proporcionado a mais avançada tecnologia para complementar as comunicações de datalink e enfrentar o desafio das viagens aéreas digitais, verdes e sustentáveis”, afirma Charlotte Neyret, CEO da European Satellite Services Provider. “O ESSP tem trabalhado neste importante programa com a Inmarsat e a ESA há vários anos e estamos orgulhosos de poder agora expandir a nossa solução.”

 



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.