Número de elefantes asiáticos em cativeiro cresce 70% na última década

A procura por animais para fotografias ou passear tem aumentado exponencialmente, o que fez aumentar o número de elefantes em cativeiro na Ásia, explicou o World Animal Protection (WWP).

Estes dados são da terceira edição do relatório ‘Os elefantes não são mercadorias’, produzido por esta organização internacional, publicado hoje por ocasião do Dia Mundial do Elefante.

A WWP descreve esta tendência como “alarmante” e alerta para a previsão de agravamento da situação “quando os operadores desses locais tentarem recuperar a receita perdida devido ao impacto causado pela Covid-19”.

Em todo o continente asiático, existem mais de 3.800 elefantes em cativeiro, dos quais três quartos estão na Tailândia, o que significa um agravamento do fenómeno, pois representa um aumento de 70% no número desses elefantes em dez anos, segundo o relatório.

Além disso, os resultados revelam que 63% desses elefantes “estão a sofrer e vivem em condições deploráveis ​​em 208 instituições nos países analisados”, enquanto apenas 7% vivem “em locais com elevados padrões de bem-estar”.

Os elefantes em cativeiro representam “uma grande percentagem dos negócios para as operadoras de turismo”, pois antes da pandemia do coronavírus geravam mais de 500 milhões de euros por ano.

“Os turistas inconscientemente promoveram essas práticas cruéis, fazendo pequenas interações com esses animais, como banhá-los e tirar fotos”, à medida que aumentam a sua demanda, disse a organização.

Embora a população esteja mais atenta “ao sofrimento causado pelos espetáculos circenses e pelos passeios de elefante”, esses locais que oferecem espaço para banhos de elefantes “tornaram-se muito populares nos últimos cinco anos” e o seu número triplicou na Tailândia.

“Também as oportunidades oferecidas por alguns dos chamados santuários, orfanatos e centros de resgate” para realizar essas atividades, na verdade escondem a exploração e o abuso desses animais, lamentou a diretora global da Vida Selvagem da Proteção Mundial Animal, Audrey Mealia, que insistiu que “não são lugares inocentes, são cruéis”, citada pela EFE.

Por esse motivo, a organização garantiu que “uma solução sustentável e de longo prazo” é a proibição da reprodução em cativeiro de “elefantes usados ​​para turismo comercial”, pois isso impediria “as gerações futuras desses animais de sofrerem este trauma”.

Ao mesmo tempo, a WWP observa que os turistas podem ter uma palavra a dizer. Ao afastarem-se dos locais onde os animais são maltratados e escolhendo lugares onde os elefantes estão “no seu habitat natural ou acampamentos de apoio com altos padrões de bem-estar”.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...