Orca famosa por transportar uma cria morta durante 17 dias voltou a dar à luz

A orca que carregou, em luto, a cria morta durante 17 dias, em 2018, deu à luz novamente. Tahlequah, como foi chamada, foi vista ontem com a cria no estreito de Juan de Fuca, na fronteira oeste entre os Estados Unidos e o Canadá, informou o Center for Whale Research (Centro de Pesquisa de Baleias, em português).

A gestação de Tahlequah durou cerca de 18 meses e a cria aparenta ser “saudável” ao nadar ao lado da mãe, informou o Centro. As baleias têm encontrado dificuldades para se alimentar no local devido a variações na migração de salmões, causando escassez de alimento. Isso tem afetado as gestações das baleias e a taxa de sobrevivência das crias na região.

Recorde-se que Tahlequah foi a protagonista do luto mais longo alguma vez testemunhado num mamífero marítimo. Em 2018, durante pelo menos 17 dias, a orca em vias de extinção carregou a sua cria morta à nascença na própria cabeça. Ainda que a prática seja habitual em golfinhos, orcas e outros mamíferos marinhos, os especialistas garantem que este foi o luto mais longo que já presenciaram.

Ainda que as orcas tenham normalmente vidas longas – em 2016, uma orca morreu na zona de Seattle aos 106 anos -, precisam de voltar a reproduzir antes de que fiquem demasiado velhas para conseguir, de facto, dar à luz. “Lamentavelmente, com as baleias a ter tanto stresse nutricional nos últimos anos, uma grande percentagem de gestações fracassa e há cerca de 40% de mortalidade”, observou o Centro de Pesquisa. “Esperamos que esta seja uma história de sucesso.”

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...