Poluição luminosa está a manter as aves acordadas de noite (e isso é um problema)

As luzes dos jardins, das fachadas e das ruas são cada vez em maior quantidade e mais luminosas, o que é prejudicial para o sono dos pássaros, indica um novo estudo.

As luzes existentes nas cidades, que são cada vez mais brilhantes e em maior quantidade estão a interferir com o ciclo de sono de várias espécies de aves, como as pegas e os pombos.

O estudo da Universidade de Melbourne e da Universidade La Trobe, publicado na publicação Current Biology, é o primeiro a medir as respostas neurológicas à poluição luminosa da vida selvagem.

“O sono é importante para os animais não apenas funcionarem, mas prosperarem”, indicou Anne Aulsebrook, investigadora da Universidade de Melbourne e da Universidade La Trobe.

“Embora a iluminação ambar pareça ter um impacto menos prejudicial do que a luz branca nas pegas, as nossas descobertas sugerem que os impactos relativos da poluição luminosa nas aves podem ser específicos da espécie. A iluminação ambar pode reduzir a interrupção do sono em algumas aves, mas não é uma solução para todas as espécies.”, afirmou Aulsebrook.

“Além disso, os padrões de sono interrompidos que forçam os pássaros a dormir durante o dia podem afetar a sua capacidade de procurar comida, combater predadores e procurar parceiros”, continuou a investigadora.

Os investigadores analisaram como o sono dos pássaros era afetado pela luz branca artificial e a luz âmbar aparentemente mais “agradável para dormir”.

Descobriram que luz comparável em intensidade à iluminação da rua pode afetar o comprimento, a estrutura e a intensidade do sono em pegas e pombos, independentemente da cor da luz.

Utilizando sensores em miniatura para medir a atividade cerebral da pega e do pombo, os investigadores descobriram que os ciclos de sono não rápidos dos olhos (NREM) e rápidos dos olhos (REM) foram alterados quando expostos à luz branca e ambar à noite, mas que a magnitude desses efeitos diferiram entre as espécies.

O especialista em sono da Universidade de La Trobe, John Lesku, disse que, embora o sono da pega seja mais interrompido sob luz branca em comparação com a luz ambar, ambos os tipos de luz são igualmente perturbadores para o sono em pombos.

“Pegas e pombos têm em média 10 horas de sono por noite. Descobrimos que as pegas perderam mais sono NREM sob luz branca do que luz ambar. Em comparação, os pombos perderam cerca de quatro horas de sono sob luz branca e âmbar ”, disse Lesku.

“Curiosamente, nenhuma das espécies recuperou completamente o sono perdido devido à exposição à luz branca ou âmbar”.

Farley Connelly, investigador da Universidade de Melbourne e da Universidade La Trobe, recomendou mais pesquisas sobre ritmos circadianos aviários e a implementação de soluções de curto prazo.

“Desligue a luz da varanda, instale luzes com sensor, remova luzes decorativas de árvores, varandas e outros ambientes externos e mantenha as luzes da rua e do parque voltadas para o chão ou protegidas sempre que possível.”

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...