Pormenor anatómico pode explicar porque é que os cérebros das baleias não são pulverizados quando mergulham



Os seres humanos inventam todo o tipo de equipamento para ajudar a ultrapassar as intensas pressões da água nas profundezas dos oceanos. No entanto, os mamíferos, nomeadamente os cetáceos (golfinhos, baleias e botos), podem, de alguma forma, ir muito mais fundo, e ficar debaixo de água durante horas sem respirar.

E estes animais lutam contra mais do que apenas a pressão externa, já que a flacidez, o poderoso movimento para cima e para baixo da cauda de uma baleia, pode criar uma pressão interna que se acumula no seu sistema cardiovascular.

Quando os cetáceos mergulham sustendo a respiração, cada pontapé de cauda envia ondas de pressão aumentada que se acumulam no seu sistema cardiovascular.

Se estes impulsos de pressão chegassem ao cérebro, pulverizariam os delicados capilares ao ponto de os perfurar. Então, para onde vai toda essa pressão extra?

Um novo estudo pode ter encontrado a resposta: uma rede misteriosa e maciça de vasos sanguíneos coletivamente chamada retia mirabilia pode atuar como uma rede de segurança literal para amortecer esta pressão.

A zoóloga da Universidade de British Columbia, Margo Lillie e colegas chegaram a esta conclusão ao examinar a anatomia de um tipo de baleia-de-baleia, a baleia-pequena (Balaenoptera physalus) e através de informações passadas de golfinhos roazes (Tursiops truncatus).

Depois de desembaraçar os pontos mais finos da sua anatomia, os investigadores geraram um modelo informático de dinâmica de fluidos e pressão em cetáceos em movimento, baseado na morfologia de 11 espécies.

Maioria dos mamíferos tem um fluxo sanguíneo bastante direto para o cérebro, mas o sangue dos cetáceos passa pela “rede maravilhosa”

Enquanto a maioria dos mamíferos tem um fluxo sanguíneo bastante direto para o cérebro, o sangue dos cetáceos passa pela retia mirabilia, ou “rede maravilhosa”, uma rede de vasos sanguíneos (tanto veias como artérias).

Embora esta estrutura tenha sido estudada durante décadas, a sua função tem permanecido em grande parte misteriosa.

Com a sua modelação, a equipa descobriu que a retia mirabilia tem o potencial de proteger os cérebros dos cetáceos de uma enorme quantidade de 97%  dos impulsos de pressão.

Este grupo de vasos situa-se entre a aorta que bombeia o sangue para longe do coração e a rede de vasos que fornecem o sangue ao cérebro.

Quando um destes pulsos de sangue pressurizado passa através destas redes em camadas de vasos, estes capturam e dividem a pressão pela sua grande superfície, difundindo-a com a ajuda do líquido céfalo-raquidiano.

Assim, quando o sangue chega ao lado do cérebro do sistema vascular, o seu volume é muito inferior ao de um murro.

E eles podem não ser os únicos mamíferos a fazê-lo. As girafas “podem confiar em parte na retia craniana para evitar alterações marcadas da pressão cerebral e a possibilidade de ‘desmaiar’ à medida que os animais se baixam e depois levantam a cabeça quando bebem”, explica Terrie Williams, bióloga evolutiva da Universidade da Califórnia Santa Cruz.

Os cetáceos regressaram aos oceanos há mais de 50 milhões de anos. Desde então, as pressões da seleção natural têm-se ajustado às suas formas, acabando por refiná-las para que os seus corpos possam suportar os desafios subaquáticos extremos que enfrentam. Nós, humanos, estamos apenas a descobrir como fazê-lo nós próprios.



Notícias relacionadas

loading...

Comentários estão fechados.