Porque homenageamos os mortos com flores?

Os arqueólogos defendem que os seres humanos decoram as suas sepulturas com flores há quase 14 mil anos. Isto porque foi desenterrada, em Israel, a primeira prova da tradição floral, onde terão sido usadas sálvia, hortelã e outras plantas.

Hoje em dia, as flores são usadas como um sinal de respeito ou lembrança pelos entes queridos, mas crê-se que o seu início tenha começado há milhares de anos para disfarçar o mau cheiro dos cadáveres em decomposição. Também se acredita que o cheiro das plantas servisse para afastar animais capazes de desenterrar os corpos.

A descoberta mais recente feita neste sentido teve lugar numa sepultura com entre 11.700 a 13.700 anos, num lugar conhecido como Raqefet Cave com vista para a costa do Mediterrâneo.

Dani Nadel, arqueólogo da Universidade de Haifa, em Israel, e a sua equipa usaram a datação do radiocarbono presente no revestimento de túmulos que continham 29 esqueletos de crianças e adultos – quatro deles registavam grandes impressões de plantas. Parte das células das plantas foram também encontradas em toda a caverna e no seu terraço.

“É difícil estabelecer quando é que as pessoas começaram a usar flores em eventos públicos e cerimoniais, devido à escassez de evidências relevantes no registo arqueológico”, disse Nadel.

O maior número de impressões de plantas preservadas estava numa dupla sepultura de um adolescente entre os 12 e os 15 anos de idade e um indivíduo com mais de 30 anos.

Foram os dois encontrados de costas, em posição paralela um ao outro e com os cotovelos unidos, de acordo com a investigação publicada na Proceedings of the National Academy of Sciences.

Os cientistas afirmam que as plantas em flor possuem mecanismos que estimulam respostas emocionais e sociais positivas nos seres humanos. O seu uso em eventos sociais, como funerais, pode no passado ter servido também para melhorar a identidade e solidariedade dos grupos.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...