Porque razão os pinguins não voam?



À semelhança de muitos pássaros, os pinguins percorrem um longo caminho entre as zonas de alimentação e as de reprodução. Mas, em vez de voarem, eles nadam. É um trajecto difícil que deixou durante muito tempo os biólogos confusos acerca da razão por que perderam os animais a sua capacidade de voar, ao mesmo tempo que a de mergulho evoluiu. Um novo estudo revela agora que os pinguins não podem ser simultaneamente bons nadadores e voadores, uma vez que voar exige grandes gastos de energia.

Em vez de olhar para os pinguins, a equipa da Universidade de Manitoba, no Canadá, analisou espécies de aves marinhas que ainda têm alguma capacidade de voar. Em alguns animais, analisaram o tempo dos mergulhos, bem como a profundidade e a temperatura corporal. Noutros mediram as mudanças de profundidade, temperatura e aceleração durante os mergulhos.

Os cientistas também injectaram isótopos de água nas aves. Quando as testaram mais tarde, isso permitiu-lhes descobrir que quantidades de dióxido de carbono e vapor de água os pássaros tinham expulso desde que a água havia sido introduzida, e, portanto, calcular a energia despendida para mergulhar e voar.

A conclusão foi a de que os animais que nadam e voam gastam quantidades de energia excessivas para voar – as mais altas que se conhecem entre todos os pássaros que voam. Para alguns, os custos de energia impostos à acção de voar são muito mais altos do que o esperado para um pinguim, de acordo com a Scientific American.

Estes resultados foram comparados com outros já recolhidos para aves como gansos e pinguins, o que permite avançar com uma possível explicação para o abandono dessa característica por parte de algumas aves – para serem excelentes nadadores, os pinguins tiveram de colocar nessa tarefa toda a sua energia.

“É óptimo ver tão claramente que o voo é sacrificado em detrimento de uma melhor capacidade de mergulho”, manifestou James Lovvorn, um ornitólogo da Southern Illinois University, em Carbondale.

Estes resultados foram publicados na Proceedings of the National Academy of Sciences.



Notícias relacionadas
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.