Projeto mede poluição luminosa na Madeira para ajudar aves marinhas a sobreviver

Um laboratório que identifica os pontos onde a luminosidade artificial excessiva perturba a vida das aves marinhas, sobretudo cagarras, começou a ser instalado na zona este da Madeira, ​​​​​​​anunciou hoje a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA).

Num comunicado, a SPEA afirmou que os primeiros dos cerca de 30 fotómetros previstos para recolha de dados sobre a luminosidade na zona este da ilha já foram instalados por astrónomos do Instituto de Astrofísica de Canárias e técnicos da organização portuguesa.

Os fotómetros são pequenos aparelhos que vão mapear a poluição luminosa e medir o impacto da luz artificial noturna sobre a biodiversidade.

“As aves marinhas, devido aos seus olhos sensíveis, ficam desorientadas e são vítimas de encadeamento ao saírem dos seus ninhos. Isso pode fazer com que colidam com infraestruturas, sejam atropeladas, se tornem presas de cães e gatos ou até morram de desidratação”, explicou a SPEA, destacando “a importância da adoção de iluminação pública adequada, levando em consideração a eficiência energética, mas também o impacto na biodiversidade”.

Os dados recolhidos, em conjunto com o seguimento GPS de cagarras adultas, “vão permitir identificar as áreas mais problemáticas para as aves marinhas em relação à poluição luminosa na ilha, permitindo priorizar locais que necessitem de alterações na iluminação”, acrescentou.

A cagarra faz o ninho em cavidades naturais, como fendas nas rochas, sob amontoados de pedras ou escavadas no solo, e põe apenas um ovo por época reprodutora. Ambos os progenitores cuidam da cria, fazendo muitas vezes longas viagens pelo mar, em busca de alimento, explicou a SPEA.

“Apesar de viver mais de 30 anos, o facto de pôr apenas um ovo e de levar tanto tempo a atingir a idade reprodutora faz com que a espécie seja muito vulnerável a ameaças como a predação por espécies invasoras, as capturas acidentais na pesca, a perda de habitat, caça ilegal e, claro, a poluição luminosa”, destacou.

Instalado no âmbito do projeto Interreg Mac Energy Efficiency Laboratories (EELabs), este é, segundo a SPEA, o terceiro projeto na região dedicado à exclusivamente à avaliação da poluição luminosa.

Além desta instalação na Madeira, o EELabs está a decorrer na ilha do Corvo, nos Açores, e nas ilhas de Gran Canária e Tenerife, em Espanha, com a instalação de mais de uma centena de equipamentos.

Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.