Redução de perdas de água “é fácil, é barato e dá milhões”



A Associação das Empresas Portuguesas para o Ambiente defendeu hoje que a redução de perdas de água é “fácil, barato e dá milhões” e garante uma nova fonte de consumo, e acusou o setor de estar “viciado” em subsídios.

“Reduzir perdas de água é fácil, é barato e dá milhões (…). É barato porque se consegue sem grandes investimentos reduzir as perdas de água; é fácil porque o conhecimento existe e dá milhões porque é de longe a forma mais rápida de garantir uma nova fonte de consumo” afirmou o presidente da Associação das Empresas Portuguesas para o Sector do Ambiente (AEPSA), Eduardo Marques.

Admitindo que as dessalinizadoras, como a que ser construída no Algarve, “vão ser precisas no futuro”, o dirigente – que participou hoje como orador no debate de encerramento do Encontro Nacional de Entidades Gestoras da Água, em Gondomar – defende, contudo, que o caminho da redução das perdas tem resultados mais imediatos e de curto prazo e até mais relevantes do que alguns que exigem investimentos avultados.

“Os sistemas de todo o Algarve, se tiverem uma eficiência hídrica de 20% – que não é nada de especial – permitem uma economia de água superior à capacidade que a famosa dessalinizadora – que vai custar 80 milhões de euros – vai dar ao Algarve”, exemplificou.

Eduardo Marques reconhece, contudo, que no tema da sustentabilidade do setor, o problema do financiamento é central, sobretudo no contexto da transposição das diretivas europeias para a qualidade da água e para as águas residuais.

Para o presidente AEPSA, é necessário criar condições para uma gestão empresarial das entidades gestoras do setor público, muitas delas economicamente insustentáveis.

“O setor da água em Portugal está viciado em subsídios e em fundos europeus, isso é uma realidade que tem de mudar de uma forma rápida. O único financiamento estrutural, a longo prazo e sustentável será o financiamento da eficiência e da boa gestão”, defendeu, explicando que os recursos financeiros devem ser gerados pela boa gestão.

O dirigente sublinhou que as entidades gestoras privadas, que representam 20% do setor, investiram “1500 milhões de euros sem um único subsídio”, mostrando ser possível esta mudança de paradigma.

“Os poucos subsídios que receberam foram integramente para baixar tarifas, o que mostra que é possível ter boa gestão sem subsídios, sem financiamentos externos”, rematou.

Numa crítica à gestão municipalizada, o presidente da AEPSA advogou ainda que a gestão da água “tem de deixar de ser uma arma política em períodos eleitorais”, tendo de existir “coragem política para definir tarifas em regime de eficiência, que permitam a cobertura de custos”.

“Não podemos ter a água como um fato à medida de cada entidade gestora ou de cada município por razões eleitorais”, declarou.

No seu entender, para alcançar a sustentabilidade, deve ser incentivada a adesão efetiva à rede de abastecimento de água e saneamento, que atualmente já é obrigatória, nem que seja através de coimas.

Por outro lado, defende, Portugal deve garantir o cumprimento do principio do utilizador pagador, devendo a tarifa social ser utilizada para financiar apenas quem não tem como arcar com o aumentos dos custos.

“Não faz qualquer sentido haver uma tarifa universal, subsidiada para ser agradável do ponto de vista político”, rematou.





Notícias relacionadas



Comentários
Loading...
viagra before and after photos what to expect when husband takes viagra