Titanoba: esta temível cobra com mais de 15 metros e 1200 quilos era a rainha das florestas

Este enorme cobra viveu há cerca de 60 milhões de anos e prosperou depois da extinção dos dinossauros.

Com o desaparecimento dos répteis gigantes o topo da cadeia alimentar tinha um lugar vago, mas a Titanoba ocupou-o com rapidez.
Esta espécie pré-histórica crescia até aos 15 metros e pesava cerca de 1200 kg, tendo a zona mais grossa do seu corpo um diâmetro superior a um metro. Movendo-se nas águas lamacentas da selva quente e húmida, a Titanoba não tinha adversário à altura.
Com uma cor acastanhada, esta cobra camuflava-se perfeitamente antes de qualquer ataque, asfixiando as suas presas para depois se banquetear com calma.

 

A descoberta desta espécie de cobra começou em 2002, quando um estudante descobriu uma folha fossilizada numa visita à enorme mina de carvão em Cerrejón, na Colômbia.

A descoberta foi intrigante: sugeria que, algures no tempo, a área tinha sido o lar de uma selva extensa. Um estudo mais aprofundado revelou que o fóssil pertencia à era Paleoceno – o que significa que a mina pode ter sido o local de uma das primeiras florestas tropicais do mundo.

Mais escavações revelaram espécimes notáveis: tartarugas gigantes e crocodilos, e algumas das primeiras bananas, abacates e pés de feijão que já brotaram no planeta Terra.

Foi também descoberta uma vértebra enorme – uma vértebra demasiadamente grande para pertencer a qualquer serpente da selva já registada. Foi uma descoberta incrível, e os investigadores imediatamente começaram a vasculhar as minas em busca de mais fragmentos do titã da selva.

A sua teoria de trabalho era que a enorme cobra à qual pertencia a vértebra tinha sido apanhada num deslizamento de terra que a enterrou. Milhões de anos e dezenas de metros de rocha depois, o osso tornou-se parte de ricos campos de carvão – o que significava que poderia haver outros por perto.

Um achado específico, entretanto, era improvável. Embora fosse possível descobrir mais vértebras, seria necessário um crânio para demonstrar o verdadeiro titã. Infelizmente crânios de cobra fossilizados são difíceis de encontrar, apesar das mandíbulas das cobras serem poderosas, isto acontece por causa dos seus músculos, não por causa dos seus ossos – os seus crânios são na verdade extremamente frágeis e geralmente se desintegram antes que os sedimentos se acumulem sobre eles. Como resultado, geralmente não fazem parte do registro fóssil.

Mas, surpreendentemente, ao longo dos anos seguintes, a equipa descobriu os restos de 28 enormes serpentes e não um, mas três fragmentos de crânio, permitindo-lhes juntar uma réplica em escala real de uma cobra tão grande e tão assustadora que não deixou dúvidas sobre seu lugar nas novas selvas do mundo.

Mesmo entre as enormes criaturas da antiga floresta tropical, Titanoboa era rainha: era o predador ápice da sua época, uma criatura tão indiscutivelmente governante do seu ambiente quanto o Tiranossauro Rex no seu próprio tempo.

As dimensões surpreendentes da Titanoboa foram o resultado do clima quente, concluíram os cientistas. Fósseis de plantas sugerem que a temperatura do seu habitat na selva era em média de 90 graus húmidos – e pode muito bem ter sido mais quente.

Animais ectotérmicos dependem de fontes externas de calor para obter energia. Se estiver frio, eles estão lentos. Somente quando está quente podem operar com todo o seu potencial.

Se estiver sempre quente, o metabolismo de uma criatura de sangue frio funcionará com eficiência máxima – permitindo que dediquem essa energia extra para crescer e sustentar um corpo maior.

Até à descoberta da Titanoboa, o maior fóssil de cobra já encontrado era da Gigantophis, uma cobra que viveu há 20 milhões de anos em África.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...