Transportes custam mil biliões de euros em poluição, e quem paga são cidadãos

A associação T&E diz que o sistema de transportes na Europa custa à nossa sociedade mais de mil biliões de euros por ano em poluição atmosférica, emissões de carbono, congestionamento, acidentes e outros “custos externos”. Os dados foram revelados num estudo feito pela Comissão Europeia.

Segundo o estudo, estes custos astronómicos são pagos pelos cidadãos e não pelos poluidores, o que viola o princípio de “poluidor pagador”. A T&E indica que este estado de coisas pode mudar se os Estados transferirem impostos dos cidadãos para as fontes de poluição e congestionamento.

Entre as conclusões do relatório que deverá reger as futuras políticas da União Europeia (UE), verificou-se que camiões, navios e aviões não são taxados o suficiente pela poluição que provocam. As empresas aéreas, por exemplo, não pagam taxas de combustível nem IVA, e os camiões beneficiam de generosos descontos no combustível diesel. Estes custos externos equivalem a 7% do Produto Interno Bruto da UE.

William Todts, diretor executivo da T&E, disse: “A poluição, congestionamento e ruído dos transportes Europeus está a custar-nos mil biliões por ano. Mas estes custos não são inevitáveis, e podem e devem ser radicalmente reduzidos. Uma grande parte da resposta é fazer com que sejam os poluidores, e não o cidadão médio, a pagar. A chave do sucesso para uma mudança para impostos mais verdes é a justiça, e a melhor forma de garantir o apoio popular é dar dinheiro de volta às pessoas sob forma de cortes nos impostos que pagam”.