Uma em cada cinco aves na Europa estão ameaçadas extinção



A Lista Vermelha Europeia de Aves de 2021 foi divulgada este mês pela BirdLife International. O documento avalia o risco de extinção de 544 espécies de aves de 73 famílias na Europa, e de acordo com os dados apresentados, houve um grande declínio das populações nos últimos anos.

No total, 71 espécies estão em risco de extinção, entre as quais 8 estão criticamente em perigo, 15 estão em perigo, 48 estão em estado vulnerável e 34 estão quase ameaçadas. Além disso, 5 espécies foram consideradas extintas a nível regional.

Em comparação à Lista divulgada em 2015, foi alterada a categoria atribuída ao estado de conservação de 84 espécies, das quais 37 subiram para uma categoria de maior risco de extinção e 47 desceram para uma categoria menos preocupante. Alguns exemplos de declínio acentuado das populações são a Narceja-comum (Gallinago gallinago), o Mergulhão-de-pescoço-preto (Podiceps nigricollis) e o Perna-vermelha-comum (Tringa totanus). Por outro lado, dois casos de sucesso evidenciados que demonstram o potencial das medidas de conservação são o Milhafre-real (Milvus milvus) o Priolo (Pyrrhula murina).

Foram ainda avaliadas 13 espécies pela primeira vez, principalmente devido a alterações taxonómicas, estando uma em perigo de extinção, a Fringilla polatzeki, uma quase ameaçada, a Gallinago megala, 3 em estado vulnerável e 8 categorizadas em estado pouco preocupante.

Relativamente ao tipo de habitats, os terras agrícolas e pastagens são os que têm um maior número de espécies ameaçadas ou quase amaeaçadas de extinção (33 espécies). Seguem-se os habitats marinhos e os pântanos, com 28 e 13 espécies, respetivamente.

Os principais motivos que desencadeiam o declínio das populações, de acordo com a publicação, são as mudanças no uso das terras, as práticas agrícolas intensivas, a crescente urbanização, as práticas florestais insustentáveis, a subexploração de recursos marinhos, a poluição, a morte ilegal e a introdução de espécies invasoras. Porém, existe ainda um problema emergente: as alterações climáticas.

“Uma mensagem extraída desta Lista Vermelha é que podemos melhorar a situação das aves na Europa. As populações de pássaros na Europa estão a diminuir principalmente porque estão a perder os seus habitats, e há soluções para isso. O trabalho de restauração em grande escala, juntamente com a proteção dos poucos habitats naturais que restam na Europa, não só vai ajudar as aves a sobreviver, como também a própria humanidade”, afirma Claire Rutherford, responsável pelo departamento da Conservação de Espécies da BirdLife Europe.


Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.