com o apoio
em modo Escuro poderá poupar até 30% de energia. Saiba mais

Uma morsa ártica apareceu (exausta) na costa irlandesa: outro alerta sobre a crise climática

O aquecimento global continua a deixar alertas na costa oeste da Irlanda. Além do surgimento há alguns meses, décadas antes do previsto, de uma cápsula do tempo enterrada no gelo do Polo Norte em 2018 por ativistas russos, há agora a visita acidental de uma morsa ártica.

Um pai e a sua filha numa caminhada pela praia de Glanleam, no condado de Kerry (sudoeste), avistaram o animal a descansar sobre uma rocha na costa, em “estado de extrema exaustão”, segundo especialistas.

“Sem dúvida, a natureza está a alertar-nos sobre as consequências da crise ambiental e o impacto das atividades humanas”, explica à EFE Kevin Flannery, diretor do “Dingle Oceanworld Aquarium”, o maior aquário da Irlanda e próximo do local desta curiosa descoberta.

Segundo Flannery, “é bem possível” que a morsa, “um jovem macho do tamanho de um touro”, adormecesse sobre um iceberg que, “como resultado do degelo”, se desprendeu da “plataforma da Groenlândia”.

A Corrente do Golfo, aponta, talvez pudesse transportar o bloco de gelo para as costas do Condado de Kerry a partir “algum lugar na Groenlândia”, onde “estes animais se alimentam principalmente de mariscos islandeses”.

O primeiro avistamento “oficial” de uma morsa na costa irlandesa ocorreu em 1897, mas outro espécime não foi visto novamente até a década de 1980 e, desde então, “apareceram cerca de 20 animais”, diz o especialista.
“O melhor agora é deixá-la em paz. Um resgate não deve ser tentado. A morsa, sempre que conseguir alimentar-se novamente e recuperar as forças, empreenderá a jornada de volta para casa sozinha ”, explica Flannery.

Outra hipótese, arrisca o oceanógrafo, levanta a possibilidade de que este mamífero semi-aquático, com cerca de dois metros de comprimento e presas com cerca de 30 centímetros, tenha ficado desorientado ao seguir os navios russos e noruegueses que pescam nas águas do Atlântico Norte.

“Seja como for, é um acontecimento preocupante porque pode ser devido às alterações climáticas ou pode ser consequência da exploração excessiva dos nossos mares”, avisa Flannery, que também recorda o caso da cápsula do tempo.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...