UNICEF: Cerca de mil milhões de crianças vivem em países com risco climático muito elevado

Cerca de mil milhões de crianças – quase metade do total de 2,2 mil milhões no mundo – vivem num dos 33 países considerados de “risco muito alto” devido aos efeitos das alterações climáticas. Esta é uma das principais conclusões do UNICEF no seu novo índice para medir a vulnerabilidade de crianças à crise climática.

Este índice do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) categoriza os países com base na exposição de menores a situações climáticas extremas, como ciclones ou ondas de calor, bem como a sua vulnerabilidade a esses fenómenos atmosféricos, dependendo do acesso a que dispõem de serviços essenciais.

Segundo a Unicef, cerca de mil milhões de crianças, cerca da metade dos 2,2 mil milhões de menores do planeta, vivem nos 33 países considerados de “risco extremamente alto”.

“Estas crianças enfrentam uma combinação mortal de exposição a múltiplos fenómenos climáticos e ambientais com alta vulnerabilidade devido a serviços essenciais inadequados, como água e saneamento, assistência médica e educação”, disse a agência em nota por ocasião do lançamento do índice.

Intitulado “A Crise Climática é uma Crise dos Direitos da Criança: Uma Introdução ao Índice de Risco Climático Infantil”, o documento lista inundações costeiras e fluviais, ciclones, doenças, poluição por chumbo e poluição do ar, ondas de calor e falta de água como o principais fenómenos ambientais e meteorológicos para a elaboração do ranking.

Deste modo, a Unicef ​​destaca que, embora praticamente nenhuma criança esteja livre de sofrer pelo menos um desses fenómenos, cerca de 850 milhões de menores (um terço do total) vivem em áreas onde, pelo menos, quatro desses eventos convergem ao mesmo tempo.

“Pela primeira vez, temos um quadro completo de onde e como as crianças são vulneráveis ​​às mudanças climáticas, e esse quadro terrível é quase inimaginável. As crises climáticas e ambientais estão a minar todo o espectro dos direitos das crianças, desde o acesso a ar puro, a alimentos e água potável; à educação, casa, proteção contra a exploração e até mesmo ao direito de sobreviver ”, disse a diretora executiva do UNICEF, Henrietta Fore.

Os países com menos emissões, os mais expostos

Por outro lado, o relatório que acompanha o índice aponta que os países que menos geram gases com efeito de estufa são os que mais sofrem as consequências das mudanças climáticas.

Assim, os 33 estados considerados de maior risco para menores produzem apenas 9% das emissões globais de CO2.

“A mudança climática é profundamente desigual. Embora nenhuma criança seja responsável pelo aumento das temperaturas globais, elas pagarão os custos mais altos. Os filhos dos países com menos responsabilidade serão os que mais sofrerão ”, disse Fore, que também abriu uma pequena janela de esperança.

De acordo com Fore, ainda há tempo para agir “melhorando o acesso das crianças a serviços essenciais, como água e saneamento, saúde e educação, para aumentar significativamente sua capacidade de sobreviver a esses perigos climáticos”.

“A UNICEF exorta os governos e empresas a ouvirem as crianças e priorizarem ações que as protejam dos impactos, ao mesmo tempo que aceleram o trabalho para reduzir drasticamente as emissões de gases com efeito de estufa”, acrescentou Fore.

Nesse sentido, pediu maiores investimentos na adaptação e resiliência ao clima em serviços essenciais para as crianças, na redução das emissões de gases com efeito de estufa e na oferta de educação climática e “habilidades verdes” às crianças para a sua adaptação aos efeitos da mudança climática.

“Ao melhorar o acesso das crianças a serviços essenciais, como água, saneamento, saúde ou educação, podemos aumentar significativamente a sua capacidade de sobreviver a esses perigos climáticos, mas lidar com a mudança climática exige que todas as partes da sociedade ajam”, disse Fore.

Além disso, o relatório apela para que os jovens sejam incluídos nas negociações climáticas locais, nacionais e internacionais e garantam que a recuperação da crise COVID-19 seja verde, com baixas emissões de CO2 e inclusiva.

A apresentação do índice incluiu, além de Fore, a participação da jovem ativista sueca pelo clima Greta Thunberg, bem como da bengalesa Farzana Faruk Jhumu e do zimbabuense Nkosilathi Nyathi.

A publicação do índice coincidiu com o terceiro aniversário do nascimento do movimento “Fridays for Future” em 20 de agosto de 2018, quando Thunberg protestou pela primeira vez perante o Parlamento sueco para pedir uma ação urgente com o objetivo de parar o c das Alterações Climáticas.

O Índice de Risco Climático para Crianças apresenta os seguintes dados:

● 820 milhões de crianças (mais de um terço do total de crianças no mundo) estão atualmente expostas à ondas de calor. É provável que a situação se agrave, na medida em que a temperatura média da Terra aumenta e padrões climáticos se tornam mais erráticos. O ano de 2020 ficou empatado como o ano mais quente já registado.

● 400 milhões de crianças (aproximadamente 1 a cada 6 crianças no mundo) estão atualmente expostas à ciclones. É provável que a situação se agrave, na medida em que ciclones de alta intensidade (isto é, Categorias 4 e 5) aumentaram em frequência, aumentando a intensidade de precipitações, e que faz com que os padrões de ciclone mudem.

● 330 milhões de crianças (1 a cada 7 crianças no mundo) estão atualmente altamente expostas à inundações fluviais. É provável que a situação se agrave, na medida em que as geleiras derretem e as precipitações aumentam, devido ao alto teor de água na atmosfera, que é resultado de maiores temperaturas médias.

● 240 milhões de crianças (1 a cada 10 crianças no mundo) estão atualmente altamente expostas à inundações costeiras. É provável que a situação se agrave, ao passo que os níveis do mar continuam a aumentar, com os efeitos consideravelmente ampliados quando combinados com tempestades.

Mudanças de início lento:

● 920 milhões de crianças (mais de um terço das crianças no mundo) estão atualmente altamente expostas à escassez de água. É provável que a situação se agrave, na medida em que a mudança climática aumenta a frequência e severidade de secas, stress hídrico, variedade sazonal e interanual – e a demanda por água aumenta, resultando na depleção de corpos aquíferos subterrâneos.

● 600 milhões de crianças (mais de 1 a cada 4 crianças no mundo) estão atualmente altamente expostas a doenças transmitidas por vetores, como malária e dengue, entre outras. É provável que a situação se agrave, com a adequação da temperatura e condições climáticas para que mosquitos e patógenos que transmitem doenças se espalhem.

Degradação ambiental e stress:

● 2 biliões de crianças (quase 90% das crianças no mundo) estão atualmente altamente expostas à poluição do ar que excede 10µg/m3 . É provável que a situação se agrave a menos que haja uma redução da queima de combustíveis fósseis, que causam poluição no ar.

 

Com Agência EFE

Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.