Vulcão entra em erupção nas Galápagos onde habitam espécies únicas



O vulcão Wolf, localizado no arquipélago equatoriano das Galápagos, e onde vivem as iguanas rosa, únicas no mundo, iniciou um novo processo de erupção, informou a direção do Parque Nacional das Galápagos.

Na sua conta no Twitter, a instituição publicou uma foto do evento, que foi capturada pelos guardas-florestais.

As iguanas rosa (Conolophus marthae), uma espécie única no mundo, habitam este vulcão, localizado na Ilha Isabela, onde partilham o habitat com iguanas amarelas e as tartarugas gigantes Chelonoidis becky.

Nem o Parque Nacional das Galápagos nem o Ministério do Ambiente local informaram ainda se a erupção afetou a espécie.

O primeiro registo de uma erupção do vulcão foi em 1797.

Vulcão Wolf

O Wolf é o vulcão mais alto do arquipélago, com 1.707 metros acima do nível do mar e um dos cinco vulcões ativos da Ilha Isabela, junto com Sierra Negra, Cerro Azul, Alcedo e Darwin.

O vulcão Wolf não está localizado perto de uma área habitada e não representa um risco para a população humana.

De acordo com o Instituto Geofísico, a partir das 00h20, hora local (07:20 GMT), é possível observar uma nuvem de gás e cinzas que atinge alturas entre 3.793 metros acima do nível do mar a nordeste e 1.943 metros acima do nível do mar a oeste.

Conservação

Em agosto passado, especialistas de diferentes organizações analisaram estratégias voltadas para a conservação da iguana-rosa, espécie rara que costuma habitar a 1.500 metros acima do nível do mar e cujo comportamento ou ameaças é pouco conhecido.

A direção do Parque Nacional das Galápagos (PNG), Galapagos Conservancy, Island Conservation e Re: Wild participaram da análise.

Após o último censo realizado no início de agosto passado, uma população de 211 iguanas-rosa foi calculada no vulcão Wolf, embora 53 tenham sido localizadas e capturadas, 94% das quais viviam acima de 1.500 metros acima do nível do mar.

Plano de conservação

Entre as primeiras ações do plano de conservação estão a coleta de informações, a construção de uma cabana permanente no vulcão e o controlo de espécies.

Os especialistas consideram vital identificar quando e onde as iguanas-rosa fazem os seus ninhos.

Em agosto passado, Washington Tapia, Diretor de Conservação da Galapagos Conservancy, indicou que “estar restrito a um único local torna a espécie mais vulnerável, considerada pela União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN) como criticamente ameaçada.”

As ilhas Galápagos, situadas no océano Pacífico a cerca de mil quilómetros a oeste da costa do Ecuador, cujo nome se deve às tartarugas gigantes que o habitam, é constituído por 13 grandes ilhas, 6 menores e 42 ilhotas, e é considerado um laboratório natural que permitiu ao cientista inglês Charles Darwin desenvolver a sua teoria da evolução e da natural seleção da espécie.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.