com o apoio
em modo Escuro poderá poupar até 30% de energia. Saiba mais

7 factos muito interessantes que talvez desconheça sobre camaleões

Os camaleões são conhecidos por serem os mestres da camuflagem, mas será que é mesmo assim? Conheça alguns factos muito interessantes sobre este peculiar animal.

O camaleão não se refere apenas a um animal, mas sim a todos os répteis pertencentes à família Chamaeleonidae. Existem um pouco por todo o mundo, e são distintos dos restantes parentes. Existem há mais de 100 milhões de anos, altura em que se separaram da família Agamidae, de acordo com o registo fóssil.

Fique a conhecer sete factos interessantes sobre estes animais:

1. Existem mais de 200 espécies de camaleões

Quase dois terços de todas as espécies de camaleões podem ser encontrados em África, mais propriamente em Madagáscar.
Existem 202 espécies de camaleões, bem como 23 subespécies adicionais, de acordo com a “Lista de verificação taxonómica de camaleões” publicada em 2015 na revista Vertebrate Zoology.

2. Pequenos, médios e grandes. Há camaleões para todos os gostos

Um dos maiores camaleões do mundo é o camaleão do Pároco. Pode chegar a ter mais de 60 centímetros de comprimento, e existe no lado leste de Madagáscar.

Considerado o menor camaleão do mundo, o Brookesia micra tem cerca de 30 milímetros, e pode ser encontrado numa pequena ilhota perto de Madagáscar, tendo sido descrito pela primeira vez em 2012.

3. Estes animais utilizam os dedos dos pés e a cauda para se locomover

Os camaleões contam com os dedos dos pés e com a cauda para navegar pelas árvores e arbustos onde vivem. Como a maioria dos lagartos, os camaleões têm cinco dedos, mas os camaleões têm os deles espaçados de maneira diferente. Nos seus pés dianteiros, os dois dedos externos estão numa configuração, enquanto os três dedos internos estão em outra. Os dedos dos pés traseiros estão na combinação oposta. Os camaleões utilizam esses grupos de dedos como polegares e dedos para agarrar galhos quando se movem.

A maioria dos camaleões também tem caudas preênsis, que podem ser utilizadas para segurar objetos para os ajudar enquanto sobem. Ao contrário de muitos lagartos em que a cauda volta a crescer quando danificada, os camaleões não são capazes de regenerar a cauda.

4. Camaleões não mudam de cor para se camuflar

É um equívoco comum pensar que os camaleões mudam de cor para se misturar com o ambiente. A coloração natural de um camaleão já se mistura muito bem com o seu habitat natural. A maioria dos camaleões já tem as cores das folhas, cascas, galhos ou areia.

Em vez disso, um estudo sugere que os camaleões mudam de cor por causa do seu humor e interações sociais. Um estudo de 2015 descobriu que células semelhantes a cristais na sua pele – chamadas iridóforos – refletem e absorvem todas as cores da luz. Os machos mudam de cor para tentar impressionar as fêmeas durante o namoro ou para alertar outros machos numa exibição de agressão.

Alguns estudos também sugerem que os camaleões podem mudar de cor para regular a temperatura corporal. Um estudo de 2016 descobriu que os dragões barbudos mudam de cor com base na temperatura corporal. Como os camaleões são ectotérmicos – não conseguem reter o calor do corpo, é provável que fiquem mais escuros de forma a se manterem aquecidos.

5. Os camaleões têm visão panorâmica

Os olhos dos camaleões são únicos entre os répteis. Estes répteis têm pálpebras escamosas em forma de cone com aberturas redondas muito pequenas para as pupilas. Os camaleões podem girar cada olho separadamente para focar duas coisas diferentes ao mesmo tempo. Há muito tempo que se acredita que os seus olhos funcionam de forma independente, então os camaleões têm uma visão panorâmica do ambiente ao seu redor.

Um estudo de 2015 descobriu que os movimentos dos olhos de um camaleão não são verdadeiramente independentes. Os cientistas descobriram que há alguma comunicação entre os olhos e eles mudam entre a visão divergente e a binocular.

6. Répteis com línguas pegajosas e rápidas

A língua de um camaleão é cerca de duas vezes mais longa que o seu corpo. Ao ver um inseto que parece uma refeição saborosa, o camaleão desenrola a sua língua pegajosa com tal velocidade que o inseto é totalmente apanhado de surpresa quando é capturado. De acordo com um estudo de 2016, a língua do camaleão desenrola-se com um recuo rápido, graças à força com que o animal liberta os músculos da língua.

Os investigadores analisaram vídeos de dezenas de camaleões a comer insetos. A língua do Rhampholeon spinosus produziu um pico de aceleração 264 vezes maior do que a aceleração da gravidade. A National Geographic explica que, se fosse um carro, a língua do camaleão poderia acelerar de 0 a 100 quilómetros por hora em apenas 1/100 de um segundo.

7. Alguns camaleões estão em perigo

De acordo com a Lista Vermelha da IUCN, muitas espécies de camaleões estão ameaçadas de extinção. O tarzan Calumma e o camaleão de nariz bizarro em Madagascar estão ambos gravemente ameaçados devido a ameaças como mineração, extração de madeira e uso agrícola da terra. O camaleão tigre nas Seychelles, o camaleão gigante com chifres de Usambara do Leste na Tanzânia e o camaleão de Decary em Madagáscar estão todos ameaçados.

Outras espécies, como o camaleão velado e o camaleão mediterrâneo, são classificadas como espécies menos preocupantes. Não enfrentam muitas ameaças e o número de sua população é estável.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...