A importância do Asset & Facility Management na pegada carbónica das organizações financeiras



Por: Miguel Salgueiro, Founder Partner da NextBITT

Ao longo dos últimos anos, temos tido a oportunidade de assistir a um crescimento exponencial do atual ecossistema organizacional e o setor financeiro, mais especificamente, tem estado nos lugares de maior destaque. Bancos e instituições financeiras, que têm apresentado resultados anuais positivos, olham para dentro da sua organização e procuram entender de que forma podem implementar estratégias que lhes permita, por um lado poupar tempo e dinheiro, e por outro reduzir a sua pegada carbónica, tornando mais eficaz a sua gestão ambiental. É, neste sentido, que surge o conceito Asset & Facility Management – ou gestão de ativos físicos, e que de uma forma simplificada, consiste na gestão e monitorização do património de uma empresa – nomeadamente edifícios, máquinas, equipamento – proporcionando o melhor retorno possível aos stakeholders.

Desta forma, identificamos 5 passos que explicam a importância da gestão de ativos físicos na pegada carbónica das organizações financeiras:

  1. Cadastro e inventário

A gestão de ativos físicos permite a cada organização manter um registo permanente de todo o seu património numa única plataforma, bem como a gestão do ciclo de vida útil de cada ativo físico. Toda a documentação obrigatória e legal que um determinado edifício deve apresentar fica assim congregada numa única plataforma. Dando um exemplo concreto, caso a certidão do edifico expire num prazo de 3 meses, o técnico final recebe um alerta, para dar início ao processo de renovação.

Por outro lado, através do modulo de mobilidade – app – a tecnologia Asset & Facility Management consegue de forma fácil e ágil realizar o inventário do seu património, que se encontre disperso geograficamente ou reunido numa mesma instalação. Neste sentido, a solução tira partido das tecnologias mais recentes como NFC ou geo-referenciação para garantir uma rastreabilidade completa dos ativos físicos de uma organização ao longo do seu ciclo de vida. Quer no que diz respeito ao controlo de custos, quer na vertente operacional de disponibilidade e operação de cada equipamento.

  1. Tecnologia

A migração destes dados para uma plataforma tecnológica de Asset & Facility Management permitirá que uma organização fique com um esquema detalhado de ativos físicos permanentemente atualizado.

A adopção da tecnologia Asset & Facility Management, permite estruturar de forma organizada por família de activos físicos, todo o património.

Gestão Integrada de Ativos, Manutenção e Facility Services (Hard & Soft Services) com base num workflow de atividades que garante a notificação automática dos vários intervenientes sempre que a sua ação é necessária, ou apenas numa perspetiva informativa de modo a que todas as tarefas relacionadas com a operação sejam do conhecimento dos diversos níveis da estrutura interna, bem como dos principais prestadores de serviço.

Adicionalmente a plataforma poderá dispor de um módulo de auditorias, que garante o registo de auditorias de qualidade, ambiente, conformidade, etc. (EX: auditorias aos prestadores de limpeza, manutenção segurança ou outros, auditorias de conformidade com os requisitos de certificação, auditorias de conformidade com exigências legais, etc.)

Esta adaptabilidade e automatização da plataforma, que tem como principal objetivo agilizar toda a parte processual através da gestão de SLA’s, fará com que estes processos não necessitem de intervenção humana e que as máquinas/sensores comuniquem diretamente ao técnico final, eliminando questões mais burocráticas que se revelam em perda de tempo e dinheiro para as organizações.

  1. Sensores

Nos dias de hoje, numa ótica de SGA – sistema de gestão ambiental – é fundamental que uma plataforma automatizada de Asset & Facility Management tenha a capacidade de fazer evidências de consumo de água, luz, resíduos, qualidade do ar, temperatura, etc, possibilitando uma redução dos níveis da pegada carbónica de uma determinada organização. No entanto, para que estas informações sejam recolhidas é imperativo que sejam instalados sensores nos edifícios das organizações, dando continuidade à ideia de que estas mesmas máquinas “respondam” diretamente à plataforma.

  1. Analytics

Todo este processo irá, naturalmente, gerar dados, automaticamente trabalhados no módulo de analytics, com base em algoritmos, permitindo tomar decisões de investimento suportadas em factos.

  1. Sustentabilidade – Sistema de Gestão Ambiental

Com a entrada em vigor da obrigação de divulgação da UE e do Regulamento de Taxonomia da mesma, como parte do chamado “Acordo Verde Europeu” em 2021, a União Europeia exige cada vez mais, nos dias que correm, que a sustentabilidade seja visível no ecossistema organizacional.

Neste sentido, a congregação dos 4 passos anteriormente mencionados permite, a uma plataforma de Asset & Facility Management, ter a cadeia de valor completa e focar-se em projetos de sustentabilidade, dando a possibilidade à organização, no final de cada período previsto, de desenvolver um relatório de sustentabilidade focado na área de sistema de gestão ambiental.

O sistema de gestão ambiental, por sua vez, permite identificar a pegada carbónica de uma organização de forma automatizada – sem que seja necessário preencher este relatório obrigatório de forma manual – e entender de uma forma mais clara e detalhada como se pode reduzir os níveis desta mesma pegada carbónica. A integração destes 5 passos, permite a cada segundo ter visibilidade de toda a operação, agindo de forma imediata, o SGA é alimentado automaticamente pela cadeia de valor, e não se resume apenas a um dashboard.

Perante este contexto, é possível entender que uma plataforma de gestão de ativos físicos se revela fundamental para o futuro da sustentabilidade – ESG do setor financeiro, permitindo gerir e monitorizar o património das empresas e controlar os níveis associados à pegada carbónica das mesmas. O paradigma empresarial está a mudar a passos largos e as organizações apresentam uma preocupação cada vez maior associada ao investimento responsável. Num futuro próximo as decisões dos líderes organizacionais do setor financeiro terão sempre em conta conceitos como: Sustentabilidade e Sistema de Gestão Ambiental!



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.