A jovem queniana que cria tijolos reciclados “mais duros que betão”

A jovem engenheira queniana Nzambi Matee enfrenta todos os dias um inimigo onipresente e ignorado por todos: o plástico. Na sua pequena fábrica em Nairóbi, pedaços de garrafas de leite, champô e sacos de cereais são misturados com areia, derretidos a altas temperaturas e moldados em tijolos.

“Estávamos cansados ​​(de nada ser feito). O lixo plástico não é um problema queniano, mas global e, se não conseguirmos oferecer soluções práticas, pedir às pessoas que adotem uma cultura de reciclagem pode ser um desafio ”, explica a Agência EFE Matee, 29 anos e fundadora da empresa Gjenge Makers, que produz material de construção sustentável a partir de resíduos plásticos.

Desde a sua criação em 2017, esta empresária e a sua equipa – agora composta por cinco trabalhadores a tempo parcial e outros cinco a tempo inteiro; com capacidade para produzir cerca de 1.500 tijolos por dia – conseguiram reciclar cerca de 20 toneladas de resíduos plásticos.

Somente na cidade de Nairóbi, estima-se que cerca de 500 toneladas sejam geradas a cada 24 horas.

A ideia inicial era recolher restos de plástico para vender às recicladoras locais, mas, ao acumular mais do que podiam vender, decidiram tentar transformar esse plástico aparentemente inútil em tijolos mais duros do que o próprio betão.

“(Os nossos tijolos) são três ou quatro vezes mais resistentes que o betão porque o plástico, por ser um material fibroso, cria menos bolsas de ar”, diz a graduada em Física e Geofísica e especializada em Ciências dos Materiais.

Para ela, o objetivo final é simples: criar um espaço fértil onde floresça uma economia circular em torno do plástico, como já acontece com outros materiais como o ferro, cujos resíduos são quase sempre reaproveitados.

“O ciclo de vida do metal está muito bem estabelecido: não se vê desperdício porque se traduz em valor. Este é o meu desejo para qualquer outro material, seja plástico, lixo alimentar, etc. que tem valor ”, detalha.

“Um impulso moral”

Matee também foi reconhecida em meados de dezembro como um dos sete Jovens Campeões da Terra 2020, prémio com o qual o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), com sede em Nairóbi, reconhece o trabalho de organizações, cientistas, ativistas ou empresários – com menos de 30 anos – capaz de promover um impacto transformador.

“(Esres jovens) mostram-nos que todos podemos contribuir (para erradicar os problemas ambientais) onde quer que estejamos e com o que temos em mãos”, disse o Diretor Executivo do PNUMA, Inger Andersen, que destacou o papel fundamental dos jovens quando se trata de oferecer soluções contra a crise climática, perda de biodiversidade e poluição.

“Este prémio, claro, gerou publicidade e maior interesse pelo nosso produto, mas acima de tudo, tanto para minha equipa quanto para mim, foi um incentivo moral. Dá-me força ouvir alguém a dizer: ‘Eu vejo o que faz, eu valorizo. Continue assim! ‘”, Exclama Matee, cuja equipa está a trabalhar contra o relógio para pavimentar um bloco de apartamentos com 14.600 tijolos.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...