A população de tigre selvagem está a recuperar, diz WWF



Celebra-se hoje em várias regiões do oriente o Ano Novo Lunar, definido em 2022 como o Ano do Tigre. Como forma de comemoração, a WWF – World Wide Fund for Nature decidiu publicar um relatório acerca dos últimos progressos de conservação do tigre selvagem.

Em 2010, a população de tigres selvagens era de pouco mais de 3.000. Com o compromisso de reverterem esta situação e de duplicar o número de espécimes vivos até 2022, 13 países uniram-se na Iniciativa Global do Tigre e realizaram a primeira Cúpula do Tigre, em São Petersburgo. Foram eles a Índia, o Nepal, a Tailândia, Cambodja, Laos, Rússia, Indonésia, China, Malásia, Myanmar, Vietname, Butão e Bangladesh.

O relatório indica que, na última década, a tendência de declínio da população do tigre foi revertida e que esta se encontra a recuperar. Alguns casos de sucesso são a área protegida de tigres do mundo situada na China, o duplicar da população de tigres do Parque Nacional Land of the Leopard, na Rússia, e o duplicar da população de tigres no arque Nacional Royal Manas, no Butão, onde a ferramenta de monitorização SMART foi essencial para garantir essa evolução. Outro sucesso é a transformação da Área de Conservação da Floresta Khata, entre a Índia e o Nepal, que tem agora 3.800 hectares de floresta e que, nos últimos 5 anos, foi utilizado por 46 tigres.

Para a WWF, embora existam progressos que demonstram o sucesso das várias medidas aplicadas pelas organizações e pelos governos, o alcance territorial dos tigres continua a diminuir. Além disso, a recuperação não foi igual em todas as regiões asiáticas, com a redução da população de tigres na Malásia e a possível extinção no Camboja, em Laos e no Vietname.

“À medida que entramos no Ano Lunar do Tigre, há uma necessidade premente de continuar os esforços globais de recuperação do tigre e fortalecer todas as ações necessárias para alcançar um futuro sustentável para a espécie”, explicam em comunicado. “A WWF continuará a apoiar as principais atividades de conservação de tigres, incluindo a gestão eficaz de áreas protegidas, a interrupção do comércio ilegal de vida selvagem e a redução da procura por tigres e pelas suas partes do corpo e produtos”.

A segunda Cúpula Global do Tigre vai realizar-se este ano a 5 de setembro, na cidade de Vladivostock, na Rússia.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.