Agricultura, espécies invasoras e caça entre as seis principais ameaças para a biodiversidade mundial

As espécies exóticas invasoras são uma das seis principais ameaças para a biodiversidade na Terra, de acordo com um estudo publicado na Nature que revela a localização e intensidade desses perigos.

Uma equipa de investigadores produziu mapas globais para as seis principais ameaças que afetam anfíbios, aves e mamíferos terrestres e que, juntamente com as espécies exóticas invasoras, são: agricultura, caça e captura, extração de madeira, poluição e alterações climáticas.

Os resultados mostram que a agricultura e a exploração madeireira permeiam os trópicos e que a caça e a captura são a ameaça geograficamente mais disseminada para mamíferos e pássaros.

Com base nisso, existem áreas continentais onde há mais de 50% de hipoteses de que qualquer espécie de anfíbio, mamífero ou ave seja ameaçada pela exploração madeireira, caça e captura, agricultura, espécies invasoras ou alterações climáticas.

O estudo indica que o mundo enfrenta uma crise global da natureza, mas as informações sobre a localização e intensidade das ameaças responsáveis ​​pela perda de biodiversidade são limitadas.

Este estudo visa melhorar a compreensão de como as ameaças à biodiversidade variam ao redor do mundo.

A investigação mostra que a agricultura é a maior ameaça aos anfíbios, com a ameaça mais prevalente a essas espécies em 44% das terras globais. Quando se trata de pássaros e mamíferos, a caça, com e sem armadilhas são as mais prevalentes, classificando-se como a maior ameaça em 50% da terra para pássaros e 73% dos locais para mamíferos.

O estudo também identifica os locais onde as ameaças são particularmente prevalentes. Nesse sentido, no Sudeste Asiático, especialmente nas ilhas de Sumatra e Bornéu, assim como em Madagascar, os investigadores encontraram um risco maior de impacto de todas as seis ameaças a anfíbios, pássaros e mamíferos.

Em termos de anfíbios, a Europa destaca-se como uma região de alto impacto ameaçador devido a uma combinação de agricultura, espécies invasoras e poluição.

O estudo indica que as regiões polares, a costa leste da Austrália e da África do Sul serão mais afetadas pelas mudanças climáticas, que afetam particularmente as aves.

Para orientar as medidas de conservação, os autores combinaram dados de impacto de perigos com informações espaciais sobre a importância da biodiversidade para criar mapas de risco de conservação que identificam áreas de alta prioridade para mitigação de perigos.

Essas áreas incluem os Himalaias, sudeste asiático, a costa oriental da Austrália, as florestas secas de Madagascar, a falha de Albertine e o Arco da Montanha Oriental na África oriental, as florestas guineenses da África Ocidental, a floresta Atlântica, a bacia da Amazónia e a Cordilheira dos Andes do Norte, no Panamá e Costa Rica, nas Américas do Sul e Central.

Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.