Alterações climáticas: algumas cidades Europeias já excedem limite de 1,5ºC

Uma investigação levada a cabo pela European Data Journalism Network (EDJNET) revela que em várias cidades Europeias já se registam aumentos das temperaturas médias acima dos 1,5º previstos no Acordo de Paris. Em Portugal, Évora é a cidade com o maior aumento relativamente ao século passado, com temperaturas médias 0,8ºC acima do que era o normal no século XX.

A investigação da EDJNET mostra que nas regiões nórdicas e do Báltico, bem como grande parte da Andaluzia e sudeste da Roménia, as temperaturas médias no século XXI são já muito mais quentes do que no século XX, e em alguns casos estão vários graus mais quentes.

Em Kiruna, por exemplo, uma cidade no norte da Suécia, as temperaturas anuais médias subiram 3ºC no século XXI quando comparadas com o século XX. Em Bucareste, a capital da Roménia, os aumentos da temperatura situam-se nos 1,4ºC.

Em Portugal, Évora é a cidade que registou o maior aumento, com uma temperatura média 0,8º mais elevada que no século XX. Seguem-se Coimbra (com mais 0,7ºC) e Lisboa (com mais 0,7ºC).

O relatório conclui, ainda, que as cidades da costa Atlântica foram as que registaram um menor aumento na temperatura média anual.

 

Importância do limite de 1,5º
Em 2015, 195 países acordaram limitar o aumento da temperatura média do planeta em 1,5º acima dos níveis pré-industriais. Quer isto dizer, que os países reconheceram o perigo para a humanidade em continuar a emitir gases com efeito de estufa, que estão a aumentar as temperaturas médias globais.

Mas porquê limitar o aumento da temperatura média?

Apesar de 1,5º parecer pouco, a verdade é que as consequências para a saúde humana e para o ambiente são graves mesmo quando a temperatura aumenta décimas de grau. Mojca Dolinar, do departamento de climatologia na Agência do Ambiente Eslovena, diz que uma atmosfera mais quente consegue absorver mais água antes de a libertar como chuva, aumentando o perigo de cheias. Por outro lado, temperaturas mais altas podem também aumentar os períodos entre chuvas, prologando a severidade das secas.

Temperaturas mais elevadas levam também a ondas de calor, que podem resultar na morte de pessoas, como aconteceu com a onda de calor de 2003, que matou 70 mil pessoas na zona ocidental do continente Europeu.

Por cá, e apesar de não parecer, o Outono começou no domingo. Apesar da mudança da estação, Portugal Continental continua a registar temperaturas altas um pouco por todo o território, com máximas de 36ºC para Lisboa, 38ºC para Setúbal, 32ºC para o Porto e 39ºC para Évora.

No quadro em baixo, pode ver o aumento médio das temperaturas anuais um pouco por toda a Europa