Árvores das montanhas podem combater alterações climáticas

Se as temperaturas globais se elevarem drasticamente, como previsto, uma da soluções para combater este flagelo será a plantação de árvores em lugares mais altos, de acordo com um novo estudo publicado na Geophysical Research Letters. Segundo a pesquisa, realizada por equipas das universidades de Sheffield e Oxord, Inglaterra, estas árvores poderão ter um papel muito importante na remoção de CO2 da atmosfera.

A pesquisa foi desenvolvida nas montanhas do Peru e revelou que, nos locais mais altos e frios, o crescimento das raízes das árvores desacelera. Isto significa que as raízes não alcançam a profundidade suficiente, no solo, para romper as rochas abaixo e se unirem ao CO2, removendo-o da atmofera.

Se as temperaturas globais ficarem mais quentes, porém, a camada de material orgânico entre a raiz e a rocha apodrece mais rapidamente, torando-se menos espessa e permitindo que as raízes cheguem à rocha e iniciem o processo de remoção.

As áreas montanhosas são também importantes pelo seu material vulcânico, como granito e basalto. Estes elementos contêm mais cálcio e magnésio que os sedimentos das terras baixas, tendo um maior efeito sobre os níveis de CO2.

Segundo o Planeta Sustentável, os investigadores afirmam que esta teoria sugere que ecossistemas montanhosos agiram como um termostato do planeta, enfrentando o risco de aquecimento ou resfriamento excessivos por milhões de anos.

“Uma série de eventos climáticos nos últimos 65 anos resultou na elevação e queda de temperaturas. No entanto, o processo de remoção que regula o CO2 na atmosfera pode ser contido pelas florestas que crescem nas partes montanhosas do mundo. No passado, este processo pode ter impedido que as temperaturas chegassem a níveis muito perigosos para a vida”, disse, ao Red Orbit, Chris Doughty, chefe do estudo.

Foto: winterriot / Creative Commons

Deixar uma resposta

Patrocinadores

css.php