As cidades estão a tornar os mamíferos maiores

Um novo estudo mostra que a urbanização está a fazer com que muitas espécies de mamíferos cresçam, possivelmente por causa da disponibilidade de alimentos em locais lotados.

A descoberta vai contra a hipótese de muitos cientistas de que as cidades levariam os mamíferos a ficarem menores com o tempo. Edifícios e estradas capturam e reemitem um grau maior de calor do que as paisagens verdes, fazendo com que as cidades tenham temperaturas mais altas do que os seus arredores, um fenómeno conhecido como “efeito de ilha de calor urbana”. Animais em climas mais quentes tendem a ser menores do que a mesma espécie em ambientes mais frios, um princípio biológico clássico chamado Regra de Bergmann.

Mas os investigadores do Museu de História Natural da Flórida, nos Estados Unidos, descobriram um padrão inesperado quando analisaram cerca de 140.500 medidas de comprimento e massa do corpo de mais de 100 espécies de mamíferos norte-americanos coletadas ao longo de 80 anos: os mamíferos que vivem nas cidades são mais longos e mais robustos do que os seus equivalentes rurais.

“Em teoria, os animais nas cidades deveriam estar a diminuir por causa dos efeitos das ilhas de calor, mas não encontramos evidências de que isso aconteça em mamíferos”, afirmou em comunicado a autora principal do estudo, Maggie Hantak, investigadora do Museu da Flórida. “Este artigo é um bom argumento para explicar por que não podemos assumir que a Regra de Bergmann ou o clima por si só são importantes para determinar o tamanho dos animais.”

Hantak e a sua equipa criaram um modelo que examinou como o clima e a densidade de pessoas que vivem numa determinada área – um proxy para a urbanização – influenciam o tamanho dos mamíferos. Conforme as temperaturas caíram, o comprimento e a massa do corpo aumentaram na maioria das espécies de mamíferos estudadas, evidência da Regra de Bergmann em ação, mas a tendência foi mais forte em áreas com mais pessoas.

Surpreendentemente, os mamíferos nas cidades geralmente cresceram independentemente da temperatura, sugerindo que a urbanização rivaliza ou excede o clima no tamanho do corpo dos mamíferos, disse Robert Guralnick, curador de biodiversidade do Museu da Flórida.

“Não era isso que esperávamos encontrar”, afirmou. “Mas a urbanização representa esta nova perturbação da paisagem natural que não existia há milhares de anos. É importante reconhecer que está a ter um grande impacto. ”

Cerca de uma década atrás, os cientistas começaram a alarmar que as temperaturas mais altas provocadas pela mudança climática estão a fazer com que muitas espécies animais diminuam ao longo do tempo. Embora muitas das consequências da mudança no tamanho do corpo sejam desconhecidas, os investigadores alertaram que animais menores podem ter descendentes menores, criando um ciclo de feedback, e o encolhimento das presas também pode pressionar os carnívoros a encontrar mais recursos.

Guralnick e Hantak disseram que esperam que as suas descobertas levem mais investigadores a adicionar urbanização às suas análises de mudanças no tamanho do corpo.

“Quando pensamos sobre o que acontecerá com o tamanho do corpo dos mamíferos nos próximos 100 anos, muitas pessoas enquadram isso como o aquecimento global a fazer com que os animais fiquem menores”, indicou Guralnick. “E se esse não for o maior efeito? E se for que a urbanização vai levar a mamíferos mais gordos? ”

Nem todos os animais respondem às mudanças ambientais induzidas pelo homem da mesma maneira, acrescentou Hantak. Os investigadores também investigaram como os efeitos do clima e da urbanização podem ser moderados ou amplificados pelo comportamento e hábitos de certas espécies.

Descobriram que animais que usam hibernação ou torpor, uma forma temporária de diminuir a taxa metabólica e diminuir a temperatura corporal, encolheram mais dramaticamente em resposta aos aumentos de temperatura do que animais sem essas características. A descoberta pode ter implicações importantes para os esforços de conservação, disse Hantak.

“Pensamos que as espécies que usam torpor ou hibernação seriam capazes de se esconder dos efeitos de temperaturas desfavoráveis, mas parece que elas são realmente mais sensíveis”, disse ela.

Enquanto as cidades transformam radicalmente a paisagem, fornecem aos animais novas oportunidades e ameaças, afirmou Guralnick. A abundância de comida, água e abrigo e a relativa falta de predadores nas cidades podem ajudar certas espécies a ter sucesso em comparação com os seus vizinhos nas áreas rurais. Os resultados do Censo dos EUA de 2020 mostram que quase todo o crescimento da população humana na última década ocorreu nas áreas metropolitanas do país. À medida que a urbanização aumenta, os animais podem ser divididos em “vencedores e perdedores”, e a distribuição dos mamíferos pode mudar, retorquiu.

“Animais que gostam de viver em ambientes urbanos podem ter uma vantagem seletiva, enquanto outras espécies podem perder por causa da fragmentação contínua das paisagens”, continuou Guralnick. “Isto é relevante para a forma como pensamos sobre a gestão de áreas suburbanas e urbanas e as nossas áreas selvagens em 100 anos.”

Embora maior seja muitas vezes melhor biologicamente, as consequências de longo prazo para os mamíferos urbanos de comer uma dieta de resíduos alimentares humanos ainda precisam ser determinadas, disse Hantak.

Os investigadores publicaram as suas descobertas na Communications Biology.

Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.