Beja vai disponibilizar 138 talhões para hortas urbanas. E os agricultores podem vender o excedente.

A exemplo de muitas outros habitantes de cidades e vilas portuguesas, também os cidadãos de Beja vão ter acesso a terrenos para criarem as suas próprias hortas urbanas, de acordo com o presidente da câmara, Jorge Pulido Valente.

De acordo com o autarca, o município avançou para este projecto para “regularizar as situações de cultivo desordenado” existentes no perímetro urbano da cidade, “incentivar a agricultura urbana” e apoiar as famílias carenciadas.

“Ao permitir a produção própria” de produtos agrícolas, o projeto é também uma “resposta social” para “apoiar famílias carenciadas”, frisou Pulido Valente, explicando que, no processo de atribuição de terrenos para criação das hortas, o município vai ter “em consideração” a situação económica dos agregados familiares dos interessados e “privilegiar” os mais carenciados.

As hortas serão cultivadas num terreno situado entre a Urbanização Quinta d’El Rei e o Bairro de Palame, com 1,25 hectares divididos por 138 talhões. Cada talhão tem entre 40 e 80 metros quadrados e será regado através de uma nora tradicional.

Se está interessado em ser agricultor urbano terá de se inscrever no Gabinete de Planeamento e Desenvolvimento da Câmara de Beja. Terá também de pagar uma tarifa mensal, que constituirá um fundo comum de reservas e visa, essencialmente, a manutenção e conservação do espaço e equipamentos.

A atribuição dos talhões vai privilegiar as primeiras inscrições, os residentes das freguesias urbanas da cidade e as situações de carência económica do agregado familiar dos candidatos.

Além do abastecimento de água, os hortelões terão acesso a um ponto de luz, a um abrigo comum para depósito de utensílios agrícolas, a um espaço comum para compostagem ou depósito de resíduos orgânicos, instalações sanitárias, zona de primeiros socorros e um painel informativo para divulgação de informação sobre modos de produção e práticas culturais ambientalmente correctas.

Finalmente, e como o projecto tem a preocupação de aliviar os orçamentos familiares, no caso de haver excedentes, estes podem ser comercializados. “Isso irá permitir obter um complemento ao orçamento familiar”, concluiu Jorge Pulido Valente.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...