Brasil: promotor de justiça propõe comer burros para controlar população

O promotor de Justiça do Rio Grande do Norte, no Brasil, propôs a utilização de carne de burro como solução para diminuir a superpopulação destes animais naquele estado. A ideia, já por si polémica, ganhou outra dimensão pelo facto do burro ser o símbolo do nordeste brasileiro.

Segundo o Planeta Sustentável, o promotor terá mesmo mandado abater dois burros, para que os seus convidados pudessem saborear a carne. Por outro lado, ele sugeriu ainda que a carne de burro fosse utilizada para alimentar a população de presos do País.

A iniciativa do promotor colocou a comunidade ambientalista em alvoroço. Existe já um abaixo-assinado, com mais de 50 mil assinaturas, que terá sido entregue ao Ministério Público do Rio Grande do Norte e ao Ministério da Agricultura brasileiro, protestando contra a iniciativa.

Foi também criada uma página no Facebook, para defender este animal. “O burro é nosso irmão. Eu sou do Rio Grande do Norte e não concordo com o abate de burros”, pode ler-se na página.

No Rio Grande do Norte, os burros não têm dono e vivem soltos. Sem nada para comer, eles invadem estradas, causam acidentes, entram em fazendas e chegam a destruir plantações inteiras. Muitas vezes, entram nas cidades e comem restos que encontram no lixo.

Por isso, explica o Planeta Sustentável, o burro tornou-se alvo da crueldade da população. No Ceará, outro estado brasileiro, o Departamento de Estradas local foi apanhado a enterra-los vivos. Outros acabam por morrer à fome ou são mortos à paulada.

Ainda assim, há várias iniciativas de preservação destes animais – como o projecto Projegue, que tem como objectivo alimentar os famintos e tratar dos que tinham sido maltratados por donos de fazendas por estes destruídas. Mas o Projegue, infelizmente, acabou.

Por isso, o Planeta Sustentável admite que “é preciso que as ONG e Governos encontrem soluções para o abandono dos burros”. Ironicamente, esta ideia polémica poderá fazer mais pelos burros – colocando-os no debate público – do que dezenas e dezenas de organizações e associações que, sem financiamento, acabaram por ficar pelo caminho.

Foto:  bagsgroove / Creative Commons

Deixar uma resposta

Patrocinadores

css.php