Cientistas afirmam que produção de óleo de coco é um perigo para espécies vulneráveis

O óleo de coco é, desde há algum tempo, uma das principais escolhas no que diz respeito a cuidados pessoais, assim como é bastante utilizado em pratos saudáveis, agora um novo estudo veio revelar os impactos negativos deste produto.

Uma equipa de investigadores queria dar mais informações sobre a colheita do coco aos consumidores, mas mesmo estes investigadores ficaram surpreendidos com os resultados obtidos.

O autor principal do estudo, Erik Meijaard, trabalhou na conservação tropical durante quase três décadas, estando muito habituado a estudos sobre o óleo de palma, um produto amplamente reconhecido como nocivo para habitats e animais, assim como a falta de informação sobre outras plantas semelhantes.
“São ambas plantas tropicais que ocupam grandes áreas que antes seriam cobertas por floresta natural”, afirmou. “Por que um acaba por ser o mau e o outro maravilhoso?”

O cultivo de óleo de coco tem sido prejudicial para os ecossistemas e julga-se que seja até responsável pela extinção de alguns animais, incluindo o olho-branco de Marianne (Zosterops mayottensis semiflava), um pequeno pássaro e a temida raposa voadora Ontong Java, encontrada apenas nas Ilhas Salomão.

Outras espécies atualmente ameaçadas pela produção de coco são o társio de Sangihe, um pequeno primata nativo da ilha Sangihe na Indonésia, e o cervo-rato Balabac, que só pode ser encontrado em três ilhas nas Filipinas.

Segundo o estudo, a produção de óleo de coco representa um perigo para 20 espécies ameaçadas de extinção por milhão de litros de óleo produzido, medida-padrão utilizada para estabelecer o nível de destruição causado pela produção.
Comparativamente, o óleo de palma impacta 3,8 espécies por milhão de litros e o óleo de soja impacta 1,3 espécies por milhão de litros.

Outro dado interessante do estudo mostra que as plantações de coco cobrem significativamente menos espaço de terra do que outras culturas de óleo. Por exemplo, em comparação com os 30,4 milhões de acres estimados para os coqueiros, os dendezeiros cobrem 46,7 milhões de acres. O impacto geral é maior, no entanto, com base na Lista Vermelha da IUCN.

O estudo relata que as plantações de coco afetam 66 espécies da lista, incluindo 29 vertebrados, sete artrópodes, dois moluscos e 28 plantas.

Embora esta revelação sobre o óleo de coco possa ser chocante, tem principalmente a intenção de ser informativa para os consumidores. “Queremos ter muito cuidado para não dizer que o coco é, na verdade, um problema maior do que o óleo de palma”, disse Meijaard.

O estudo é mais abrangente do que a análise ao óleo de coco. Foi também analisado o impacto das máquinas que coletam azeite das oliveiras no ecossistema das aves, assim como os efeitos da produção de petróleo em produtos normalmente considerados saudáveis ​​e de baixo impacto ambiental.

“O que estamos a tentar dizer, e tentar fazer o público entender, é que todas as commodities agrícolas têm os seus próprios problemas”, explicou Meijaard.

O co-autor Jesse F. Abrams acrescentou: “Ao tomar decisões sobre o que compramos, precisamos estar cientes dos nossos preconceitos culturais e examinar o problema de uma lente que não se baseia apenas nas perspectivas ocidentais para evitar padrões duplos perigosos.”

No geral, o objetivo do estudo não era direcionar a produção de óleo de coco, mas alertar para a necessidade de mais informações sobre todas as decisões de compra do consumidor. “No momento, simplesmente não chegamos lá ainda”, disse Meijaard. “Podemos escolher qualquer safra, e há enormes lacunas na nossa compreensão e conhecimento sobre o seu impacto, por isso é um apelo para que os cientistas, políticos e o público exijam melhores informações sobre as commodities.”

Douglas Sheil, coautor do estudo, acrescentou ainda “Os consumidores precisam perceber que todas as nossas commodities agrícolas, e não apenas as safras tropicais, têm impactos ambientais negativos. Precisamos fornecer aos consumidores informações confiáveis ​​para orientar as suas escolhas.”

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...