com o apoio
em modo Escuro poderá poupar até 30% de energia. Saiba mais

Cientistas descobrem furacão de plasma espacial acima do Polo Norte. Choveram eletrões no nosso planeta

Os cientistas confirmaram a existência dos chamados “furacões espaciais” depois de avistar um sobre o Polo Norte, onde a enorme tempestade de plasma se agitou no alto da borda do espaço.

Cientistas na China, Reino Unido, EUA e Noruega descobriram o furacão espacial reunindo dados de satélite de 2014, de acordo com suas descobertas publicadas na Nature Communications.

O furacão espacial aconteceu em agosto daquele ano e durou cerca de oito horas, mas os cientistas só o descobriram olhando para trás em observações de satélite e outros dados meteorológicos. A tempestade mediu mais de 1.000 km de largura, tinha vários braços espirais, girou no sentido anti-horário e fez chover eletrões na Terra, de acordo com as suas descobertas.

“Até agora, era incerto que os furacões de plasma espacial existissem, então provar a sua existência com uma observação tão impressionante é incrível”, disse o cientista Mike Lockwood em comunicado à imprensa.

Os cientistas pelidaram o fenómeno de “furacão espacial” porque tinha um ponto central estável como um olho de furacão, fortes tesouras nas bordas e outros padrões de fluxo semelhantes às tempestades da baixa atmosfera, de acordo com o principal autor do estudo, Zhang Qinghe, da Universidade Shandong na China.

Apesar destas semelhanças, os cientistas afirmam que o furacão espacial foi feito de plasma e não de água.

A imagem da tempestade parece um cruzamento entre um furacão e a Aurora Boreal, ou simplesmente uma explosão gigantesca de energia verde.

A tempestade aconteceu centenas de quilómetros acima do Polo Norte na ionosfera da Terra. Sendo que os cientistas afirmam que o furacão espacial basicamente puxou a energia do espaço para baixo, através da ionosfera, em vez de permitir que a camada absorvesse ou desviasse os raios incidentes.

“Tempestades tropicais estão associadas a grandes quantidades de energia, e esses furacões espaciais devem ser criados por uma transferência extraordinariamente grande e rápida de energia eólica solar e partículas carregadas para a atmosfera superior da Terra”, disse Lockwood.

O furacão espacial foi particularmente interessante porque aconteceu enquanto as condições ao seu redor eram relativamente calmas.

Espera-se que a descoberta traga mais luz sobre a forma como o clima espacial funciona e como afeta planetas como o nosso e outros mundos próximos.

“Os campos de plasma e magnéticos na atmosfera dos planetas existem em todo o universo”, disse Lockwood, “então as descobertas sugerem que os furacões espaciais devem ser um fenómeno generalizado”.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...