Como a as alterações climáticas mataram o sapo-dourado



A perda do anfíbio da floresta nublada da Costa Rica foi uma das primeiras a ser relacionada com o aquecimento global, dizem investigadores.

Nas profundezas da floresta nebulosa da Costa Rica, centenas de sapos dourados brilhantes apareciam de repente todos os meses de abril para acasalar. Era uma visão espetacular para aqueles que a testemunhavam: os deslumbrantes, na sua maioria anfíbios subterrâneos, reuniam-se em massa à volta de piscinas de água da chuva e lutavam agressivamente pelo direito de copular com as fêmeas antes de voltarem para o subsolo.

“Foi um dos verdadeiros grandes espetáculos da vida selvagem dos trópicos americanos”, diz o ecologista Alan Pounds, investigador, citado pelo “The Guardian”, acrescentando que, “de alguma forma, parecia irreal”.

Segundo o jornal britânico, cerca de 1.500 sapos dourados foram observados em 1987 na área da floresta de montanha onde residia toda a espécie – a Floresta Eterna das Crianças. Mas em 1989, apenas um único macho foi encontrado após as piscinas em que os sapos se encontravam terem secado. Presume-se que tenha morrido pouco tempo depois. A espécie foi declarada extinta em 2004 e acredita-se que seja uma das primeiras extinções terrestres ligadas à crise climática.

Pounds foi dos primeiros a informar sobre os impactos da crise climática nas populações naturais na sua investigação sobre o declínio dos anfíbios em Monteverde, incluindo o do sapo-dourado. Ele e colegas publicaram um relatório que apareceu na primeira página da Nature em 1999 e argumentaram que os declínios faziam parte de uma constelação de alterações biológicas impulsionadas pelo homem, afetando também as aves e os répteis, explica o “The Guardian”.

No início deste ano, o Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC) da ONU confirmou que o sapo dourado (Incilius periglenes) era uma de duas espécies para a qual a crise climática estava “implicada como um fator-chave” na sua extinção.

O relatório citou “secas extremas sucessivas” como a causa. “Feitiços cada vez mais húmidos foram intercalados com períodos cada vez mais secos, deixando para trás enclaves musgosos, que agora são em grande parte desprovidos de vida notória de sapos e sapos”.

“Antes, víamos ninhadas de rãs a saltar pelos trilhos”, afirma Pounds. Mas numa caminhada de quatro horas no final de agosto, nem um anfíbio se mostrou – embora numa ocasião se tenha ouvido um coelho.

O aquecimento global e a desflorestação continuam a empurrar as nuvens na zona mais alta da montanha – criando as condições em que os anfíbios são mais vulneráveis a um fungo quitrídio exótico potencialmente letal que tem exterminado dezenas de espécies a nível mundial.

“As condições extremas resultantes das alterações climáticas e a sua interação com outras forças podem carregar os dados para surtos de certas doenças”, diz Pounds. “Raramente é o caso na ecologia que um único fator explica as mudanças: tudo está interligado, e os dados empíricos mostram que as mudanças climáticas estão a desempenhar um papel fundamental”, sublinha.

Em 1970 havia 25 dias secos por ano, mas na última década houve mais de 100

Na floresta nublada, acrescenta, a monitorização do tempo tem observado um aumento constante de 1C da temperatura nos últimos 40 anos. Isto levou a uma maior, mas muito mais variável, precipitação global. Na década de 1970, havia cerca de 25 dias secos por ano, mas na última década houve mais de 100 anualmente.

“Procurámos muitos locais: os fossos entre rochas, rios, piscinas permanentes e temporárias, e os percursos pedestres”, diz Gabriel Barboza, um naturalista amador que participou no inventário florestal de espécies nos anos 90, que confirmou o desaparecimento do sapo dourado.

“Até cerca de 1990, havia sempre neblina aqui na cidade de Santa Elena [a vários quilómetros de Monteverde]. Por vezes, podia-se levantar o braço e não ver a mão, mas isso já não acontece. As nuvens subiram mais alto”, diz ele.

Tem havido uma ampla erosão da diversidade e abundância de anfíbios. Juntamente com o sapo dourado, uma raça de sapo arlequim endémico de Monteverde continua desaparecida depois de também ter desaparecido no final dos anos 80. Dezenas de outras espécies de anfíbios desapareceram, a par de um declínio mais amplo de tais populações em toda a América Central.

Numerosas buscas do inconfundível sapo dourado de 5cm de cor brilhante foram infrutíferas. Ainda no ano passado, após rumores de avistamentos, a Liga de Conservação de Monteverde e o grupo de conservação Re:wild lideraram uma expedição com rangers locais, biólogos e residentes.

Uma vez que o sapo dourado viveu no subsolo e desapareceu subitamente sem aviso prévio, a recolha de espécimes apropriados para testes para determinar os detalhes do colapso tem sido quase impossível. Consequentemente, nem todos estão convencidos de que a crise climática foi por si só a causa do desaparecimento do sapo.

Alguns académicos destacaram o impacto do fungo chytrid, que foi detetado pela primeira vez na península coreana, e que pode produzir uma doença de pele fatal.

No entanto, um artigo de 2019 que combina experiências, dados de campo e registos climáticos históricos relatou que “o declínio generalizado das espécies, incluindo possíveis extinções, tem sido impulsionado por uma interação entre o aumento da temperatura e a doença infeciosa”.

Pounds está convencido de que enquanto o fungo, o padrão de aquecimento periódico El Niño e possivelmente a perda de floresta muito para além dos limites da reserva desempenharam um papel no desaparecimento do sapo dourado, o aquecimento global deu o golpe crucial. “A doença é a bala que mata, mas a mudança climática puxa o gatilho”, assegurou.



Notícias relacionadas

loading...

Comentários estão fechados.