Para quem vive nas grandes cidades, a questão do lixo não é um problema, já que infra-estruturas de recolha e de gestão de resíduos se ocupam dessa questão. Realidade bem diferente é vivida nos países em vias de desenvolvimento, onde os sistemas de gestão de resíduos estão de tal forma sobrecarregados ou são de tal forma ineficientes que as crises de lixo urbano são frequentes, criando condições de vida insalubres para os moradores.

Em Lagos, na Nigéria, existe um programa de reciclagem ao domicílio que além de permitir limpar o lixo das ruas da cidade recompensa ainda os habitantes mais desfavorecidos. O programa é gerido pelos Wecyclers, que percorrem a cidade com bicicletas de carga e recolhem o lixo, previamente separado pelos habitantes, ao domicílio. Nos bairros de Lagos apenas 40% do lixo é recolhido. A cidade tem 18 milhões de habitantes.

O objectivo do programa é melhorar a situação dos resíduos não recolhidos ao mesmo tempo que responde às necessidades das empresas de reciclagem da cidade, muitas das quais estão sob capacidade e sofrem restrições de oferta devido a um inventário insuficiente de materiais para serem processados, escreve o TreeHugger.

Para encorajar à reciclagem nos bairros onde os Wecyclers operam, o programa incentiva os habitantes com um programa de SMS-recompensa, que permite às famílias receberem pontos por cada quilo de lixo que reciclem. Estes pontos podem depois ser convertidos em bens de diversos géneros, como alimentos, chamadas telefónicas ou pequenas reparações domésticas. Essencialmente, o sistema permite aos habitantes de Lagos transformarem directamente o lixo em valor.

Actualmente, mais de 5.000 habitações já aderiram ao programa e no future os Wecyclers querem expandir-se para outras cidades da Nigéria, criando mais emprego e valorizando o lixo.