Como criar impulso para uma estratégia de Economia Circular



por Rob Sinfield, SVP Product, Sage X3 and Sage Intacct Manufacturing da Sage

A sustentabilidade está a tornar-se cada vez mais inegociável para os fabricantes e distribuidores modernos. Apesar de os objetivos empresariais continuarem a ser a prioridade, a indústria reconhece a importância de incluir na equação objetivos ambientais como parte dos programas de Governança Ambiental, Social e Corporativa (ESG).

A Economia Circular está a mudar o jogo. O compromisso dos fabricantes com eliminar o desperdício através de um modelo cíclico – “fazer, utilizar, reutilizar, refazer, reciclar” – já está a trazer recompensas reais. No entanto, apesar de haver uma compreensão generalizada dos seus benefícios, muitos sentem dificuldades em mudar para uma estratégia de Economia Circular sustentável, uma vez que enfrentam também grandes desafios ao nível da indústria. A necessidade imediata de fazer face a custos mais elevados, às disrupções na cadeia de abastecimento, à mudança para estratégias de inventário “just-in-case” e às alterações nas exigências dos clientes está a limitar a capacidade das empresas de se focarem na sustentabilidade.

Criar momentum é fundamental para desbloquear todo o potencial das iniciativas de Economia Circular. As organizações podem prosperar no imediato, a curto e a longo prazo, desde que disponham das ferramentas e da abordagem adequadas. Vejamos como.

Aumentar a agilidade para ultrapassar as barreiras da indústria

A pressão para continuar a oferecer produtos e serviços aos clientes, mesmo em circunstâncias difíceis, pode facilmente levar a que a sustentabilidade seja posta de parte nas estratégias dos fabricantes e distribuidores. Contudo, tal teria um impacto negativo não só a nível ambiental, mas também em termos de perceção de marca e redução da rentabilidade a longo prazo.

Então, como podem as empresas sobreviver e prosperar de forma sustentável? A resposta é simples: com agilidade.

A agilidade começa com uma mudança cultural suportada pelas tecnologias certas. É fundamental adotar plataformas que promovam eficiência e inovação, para incentivar a reutilização e reciclagem, dando aos líderes a capacidade de olhar para os recursos existentes, considerar diferentes soluções e, com base em dados, fazer sugestões mais ecológicas.

Utilizar os dados para acelerar a Economia Circular

Desenvolver e implementar uma estratégia de Economia Circular faz agora parte da função dos líderes seniores. Este é um primeiro passo extremamente positivo; porém, é necessário passar à ação – a transformação das operações também é vital.

Uma abordagem apoiada em dados é fundamental e deve substituir o atual sistema de simplesmente seguir os conselhos da administração sobre como fazer as operações fluir mais facilmente. Quando se integram a recolha de dados, a analítica e os insights nos fluxos de trabalho, os resultados podem simplificar muito os processos, reduzindo o desperdício e aumentando a eficiência.

A tecnologia também pode trazer mais eficiência através da Internet das Coisas (IoT). Quando se incluem dispositivos como sensores nos processos das empresas, os seus insights podem indicar proativamente quando há reduções nas métricas de eficiência operacional dos equipamentos (OEE), ou quando é necessário repor stocks ou há bloqueios que se podem tornar dispendiosos mais tarde.

Olhar para o futuro com uma compreensão coletiva da Economia Circular

As empresas compreendem agora o papel crítico que a tecnologia emergente desempenha para as ajudar a navegar períodos de turbulência e a conseguir uma estratégia de Economia Circular. No entanto, a indústria ainda tem um longo caminho pela frente no que toca à adoção de tecnologia.

Os fabricantes e distribuidores classificam as aplicações Cloud, a análise de dados e a automação como as tecnologias mais importantes para gerir um negócio de forma mais sustentável. Porém, apesar de as aplicações Cloud serem úteis para recolher, analisar e reportar sobre as capacidades de Economia Circular, a utilização pública da Cloud está longe de ser universal no setor industrial.

Só com a visibilidade que as aplicações baseadas na Cloud asseguram é que as empresas podem provar verdadeiramente o valor das iniciativas de Economia Circular a nível interno e externo. A mudança cultural no sentido da sustentabilidade, quando adotada de boa vontade por todos os stakeholders, permite desbloquear os benefícios da Economia Circular a longo prazo: melhoria da reputação da empresa, aumento da eficiência energética e da resiliência e redução do impacto ambiental.

Com as ferramentas Cloud adequadas para analisar o desempenho, será mais fácil para as empresas colocarem o modelo de “fazer, utilizar, reutilizar, refazer, reciclar” no centro da sua estratégia.

A poupança de tempo impulsionada pela tecnologia

Os benefícios de uma boa agilidade e de insights sólidos provenientes dos dados não se limitam ao cumprimento dos KPIs de sustentabilidade. Uma das principais mais-valias de uma Economia Circular eficaz é precisamente ter mais tempo para pensar de forma criativa noutros objetivos para reduzir, renovar/reutilizar, reciclar e recuperar, criando assim um ciclo perpétuo de sustentabilidade.

Comprometendo-se a abraçar a Economia Circular, os fabricantes e distribuidores têm agora uma grande oportunidade. Devem tirar o melhor proveito da agilidade e dos dados para ultrapassar as barreiras atuais e tornar as operações mais fluidas, de modo a criarem o momentum necessário para serem bem-sucedidos a longo prazo.



Notícias relacionadas

loading...

Comentários estão fechados.