Depois do impacto do asteroide que matou os dinossauros, a escuridão imperou mas as algas aprenderam a caçar (e isso transformou o Planeta)

As minúsculas plantas oceânicas aparentemente inofensivas sobreviveram à escuridão do ataque do asteroide que matou os dinossauros, aprendendo a caçar e comer outras criaturas vivas.

Grandes quantidades de detritos e aerossóis foram lançados na atmosfera quando um asteroide chocou contra a Terra há 66 milhões de anos, mergulhando o planeta na escuridão, arrefecendo o clima e acidificando os oceanos. Juntamente com os dinossauros na terra e répteis gigantes no oceano, as espécies dominantes de algas marinhas foram imediatamente exterminadas – exceto um tipo raro.

Uma equipa de cientistas, incluindo investigadores da UC Riverside, queria perceber como essas algas conseguiram prosperar enquanto a extinção em massa propagava por todo o resto da cadeia alimentar global.

“Este evento esteve perto de eliminar toda a vida multicelular neste planeta, pelo menos no oceano”, disse o geólogo da UCR e co-autor do estudo Andrew Ridgwell, citado pelo portal EurekAlert. “Se remover as algas, que formam a base da cadeia alimentar, todo o resto deve morrer. Queríamos saber como os oceanos da Terra evitaram esse destino e como o nosso moderno ecossistema marinho evoluiu novamente após tal catástrofe.”

Para responder às suas perguntas, a equipa examinou fósseis bem preservados das algas sobreviventes e criou modelos de computador detalhados para simular a provável evolução dos hábitos alimentares das algas ao longo do tempo. As suas descobertas foram publicadas na revista Science Advances.

De acordo com Ridgwell, os cientistas tiveram um pouco de sorte em encontrar os fósseis de tamanho nanométrico em primeiro lugar. Eles estavam localizados em sedimentos de rápida acumulação e alto teor de argila, o que ajudou a preservá-los da mesma forma que os poços de alcatrão La Brea proporcionam um ambiente especial para ajudar a preservar os mamutes.

A maioria dos fósseis tinha escudos feitos de carbonato de cálcio, bem como buracos nos seus escudos. Os buracos indicam a presença de flagelos – estruturas finas em forma de cauda que permitem que pequenos organismos nadem.

“A única razão pela qual precisam mover-se é para apanhar a sua presa”, explicou Ridgwell.

Parentes modernos das antigas algas também têm cloroplastos, que lhes permitem usar a luz do sol para fazer comida a partir do dióxido de carbono e da água. Essa capacidade de sobreviver alimentando-se de outros organismos e por meio da fotossíntese é chamada de mixotrofia.

Os investigadores descobriram que, uma vez que a escuridão pós-asteroide passou, essas algas mixotróficas expandiram-se das áreas da plataforma costeira para o oceano aberto, onde se tornaram uma forma de vida dominante pelo próximo milhão de anos, ajudando a reconstruir rapidamente a cadeia alimentar. Também ajudou o facto de que as criaturas maiores, que normalmente se alimentariam dessas algas, estavam ausentes inicialmente nos oceanos pós-extinção.

“Os resultados ilustram a extrema adaptabilidade do plâncton oceânico e a sua capacidade de evoluir rapidamente, mas também, para plantas com uma geração de apenas um dia, que está sempre a apenas um ano de escuridão da extinção”, disse Ridgwell.

Só muito mais tarde as algas evoluíram, perdendo a capacidade de comer outras criaturas e reestabelecendo-se para se tornarem uma das espécies dominantes de algas nos oceanos de hoje.

“Mixotrofia foi o meio de sobrevivência inicial e, em seguida, uma vantagem depois que a escuridão pós-asteroide se dissipou por causa das células pequenas e abundantes, provavelmente cianobactérias sobreviventes”, disse Ridgwell. “É a história definitiva do Halloween – quando as luzes se apagam, todos se começam a comer uns aos outros.”

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...