Descoberta de um raro tubarão-fantasma bebé deixa cientistas emocionados



Pouco se sabe sobre os tubarões-fantasma que geralmente vivem em profundidades de até 1.829 metros.

Os tubarões-fantasma, também conhecidos como quimeras, não são realmente tubarões, mas estão relacionados com tubarões, pois ambos os esqueletos consistem em cartilagem e não em osso.

Pouco se sabe sobre essas criaturas marinhas porque geralmente vivem em profundidades de até 1.829 metros, em grande parte inacessíveis aos investigadores.

A descoberta, feita por cientistas da Nova Zelândia, foi feita durante uma pesquisa na costa leste da Ilha Sul do país.

“O que sabemos tende a vir dos grandes adultos, que geralmente têm um metro, um metro e meio de comprimento, então encontrar um que caiba na palma da minha mão é incrivelmente incomum”, afirmou à Reuters Brit Finucci, cientista do Instituto Nacional de Água e Pesquisa Atmosférica da Nova Zelândia.

Este tubarão fantasma recém-nascido foi capturado de uma profundidade de 1,2 km, indicou Finucci. Fotos do bebé tubarão-fantasma mostraram barbatanas pretas conectadas a um corpo de pele translúcida com uma cauda branca fina e olhos pretos.

“Achei muito interessante, outras pessoas no barco nem tanto”, riu Finucci. “Eu soube imediatamente que era algo diferente que geralmente não encontramos, então tirei algumas fotografias que agora se espalharam por toda a internet.”

Os tubarões-fantasma juvenis tendem a ser encontrados em profundidades diferentes dos adultos e, em alguns casos, parecem diferentes dos adultos, indicou.

As criaturas, que também são chamadas de peixe-rato, peixe-coelho, peixe-elefante ou peixe-espaço, têm cabeças grandes e olhos enormes em comparação com os seus corpos.

Os embriões de tubarão-fantasma desenvolvem-se em cápsulas de ovos colocadas no fundo do mar, alimentando-se de uma gema até que estejam prontos para eclodir.

A “descoberta muito rara e emocionante” dará algumas dicas sobre a espécie, concluiu.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.