E se esta bateria durasse 28 mil anos?



A empresa californiana NDB desenvolveu um projecto de baterias de nano-diamante que promete ser uma grande evolução no fornecimento de energia. De acordo com os criadores a técnica inverte a equação de energia e age como minúsculos geradores nucleares e, por isso, a sua duração é prolongada: varia de uma década a 28 mil anos sem precisar de recarga.

A bateria oferece uma potência maior do que as existentes nas baterias de iões de lítio actuais. Além disso, elas devem ser quase indestrutíveis e totalmente seguras em caso de acidente. Em algumas aplicações como as de carros eléctricos, por exemplo, podem ser significativamente mais baratas do que as disponíveis actualmente.

O projecto ainda está em fase inicial e a primeira prova do conceito só foi terminada recentemente. Apesar disso, a companhia afirma que vai começar a construir o protótipo comercial assim que os laboratórios abrirem depois da pandemia.

“A nossa equipa reúne especialistas nas áreas de nanotecnologia, ciência nuclear ou académica. A combinação da nossa experiência tornou possível decifrar o código no desenvolvimento desta solução inovadora e transformadora”, disse Nima Golsharifi, CEO e cofundador do NDB. “Estamos preocupados com o bem-estar do planeta e focados em mitigar os efeitos das mudanças climáticas para proteger nosso planeta para as gerações futuras. Com a bateria NDB, alcançamos uma inovação tecnológica inovadora, livre de emissões, dura milhares de anos e requer apenas acesso ao ar natural para alimentar dispositivos”.

Quando se refere a milhares de anos, Golsharifi sublinha os 28 mil anos de vida útil da bateria para telemóveis, aeronaves, veículos eléctricos, sensores, máquinas e outros dispositivos.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.