Eco-ansiedade: Preocupar-se com as alterações climáticas pode ser stressante



Quão preocupados estão com as questões ambientais? Se pensarmos nas alterações climáticas e na perda de biodiversidade nos stressa, não estamos sozinhos. Os psicólogos estão a tentar compreender este sentimento, que se chama eco-ansiedade, e estão a descobrir que esta preocupação pode ser essencial para a nossa luta para salvar o planeta, avança a “Science Focus”.

Segundo a mesma fonte, para nos ajudar a medir a eco-ansiedade, em finais de 2021, o psicólogo australiano aplicado Teaghan Hogg e colegas propuseram uma nova escala: a Escala de Eco-ansiedade Hogg. Dividida em 13 itens, capta os nossos sentimentos complexos sobre o planeta.

A escala é medida por emoções negativas como o nervosismo, a beira do abismo, ou o medo sobre questões ambientais incluindo o aquecimento global, a degradação ecológica, o esgotamento de recursos, a extinção de espécies, o buraco na camada de ozono, a poluição dos oceanos, e a desflorestação. A escala também mede se somos incapazes de deixar de pensar nas alterações climáticas ou nas perdas para o ambiente.

Além disso, tenta perceber como estes sentimentos e pensamentos mudam o nosso comportamento, como se lida com as dificuldades para dormir, trabalhar, ou desfrutar de situações sociais. E, como nos sentimos responsáveis, como nos sentimos ansiosos pelo impacto dos nossos comportamentos pessoais na Terra, ou se os nossos comportamentos individuais pouco farão para resolver o problema.

Se pensassem apenas: “uau, isso sou eu a maioria dos dias”, então provavelmente têm uma elevada eco-ansiedade. Isto é comum em todo o mundo, em todas as idades, mas, parece ser o mais pronunciado entre os jovens.

Em 2022, investigadores e conjunto com a UNICEF publicaram o primeiro inquérito internacional em larga escala sobre a ansiedade climática em crianças e jovens. Inquiriram 10.000 pessoas entre os 16 e os 25 anos de idade, em 10 países (Austrália, Brasil, Finlândia, França, Índia, Nigéria, Filipinas, Portugal, Reino Unido, e EUA). Verificaram que 59 por cento das pessoas estavam muito ou extremamente preocupadas com as alterações climáticas, e 84 por cento estavam pelo menos moderadamente preocupadas.

Explorando diretamente as facetas da eco-ansiedade, os investigadores da UNICEF descobriram também que metade das crianças e jovens relataram sentir-se tristes, ansiosos, zangados, impotentes, indefesos e culpados por questões ambientais. Mais de 45% disseram o que sentiam sobre as alterações climáticas afetando negativamente a sua vida diária, com receios sobre o futuro dominando os seus pensamentos e sentimentos profundos de traição por parte dos governos.

“Este é um problema potencial para a saúde mental. Sentir-se constantemente ansioso e preocupado com o clima pode levar a stress crónico na infância, o que pode ter consequências duradouras”, sublinha a “Science Focus”.

Será que os jovens vão ficar mentalmente doentes devido ao constante stress que estas questões têm na sua mente? Numa análise da investigação sobre as consequências para a saúde da eco-ansiedade publicada em 2022, uma equipa de investigadores espanhóis e brasileiros descobriu que esta está associada à depressão, ansiedade, stress, insónias, menor autorreferência à saúde mental, diminuição da memória e da atenção, e uma relutância em ter filhos.

Isto não significa que os jovens de hoje sejam todos afetados pela eco-ansiedade. Mas quer dizer que “temos de estar atentos aos efeitos psicológicos que as alterações climáticas estão a ter”.

O lado positivo da eco-ansiedade

“Há também um lado positivo da eco-ansiedade. Tem estado ligada à ação pró-ambiental e ao ativismo climático. É por causa disto que alguns investigadores têm argumentado que, em geral, a eco-ansiedade é uma coisa boa porque é uma ansiedade prática”, sublinha o site.

A ansiedade é a forma do nosso corpo nos dizer que podemos estar em perigo. Isto leva-nos a tentar descobrir qual é essa ameaça, levando-nos a encontrar mais informação e a descobrir uma solução que nos torne seguros. A crise climática é um perigo muito real. É bom que os nossos cérebros estejam a tentar fazer-nos prestar atenção e fazer algo a respeito, porque é assim que derrotamos esta ameaça.

Os investigadores que examinaram a ligação entre a eco-ansiedade e a saúde descobriram que a ação pró-ambiental poderia proteger especificamente contra esta ansiedade que evolui para a depressão.

“Por outras palavras, particularmente se tiver ansiedade ecológica, apanhar o comboio em vez de voar, reciclar, fazer petições ao funcionário do governo local, ou aderir a uma marcha, não é apenas bom para o planeta, pode também fazer maravilhas para a sua saúde mental”, conclui a mesma fonte.



Notícias relacionadas

loading...

Comentários estão fechados.