Em breve as guitarras elétricas terão um som diferente. A culpa é das alterações climáticas

A escassez de freixo de pântano significa que os fabricantes deverão recorrer a novas madeiras.

Devido às enchentes prolongadas ao longo do rio Mississippi e à propagação do besouro-verde, há uma escassez de madeira de freixo de pântano, um dos materiais favoritos usados ​​na construção de guitarras e baixos elétricos.

A Fender disse num comunicado à imprensa no início deste ano que o seu stock restante de freixo será utilizado “em modelos vintage selecionados e historicamente apropriados, conforme os suprimentos estiverem disponíveis”, ao invés de ser um material de referência para a maioria dos seus instrumentos.

“Para manter o nosso legado de consistência e alta qualidade, tomamos a decisão de remover o freixo da maioria de nossos modelos de produção regulares.” Outro fabricante de guitarras, a Music Man, fez uma declaração semelhante em 2019, dizendo que esgotou o stock de freixo de pântano na sua fábrica na Califórnia e começará a fazer experiências com novas madeiras.

A razão subjacente para a escassez de freixos são as alterações climáticas. Embora os freixos de pântano possam sobreviver debaixo d’água por semanas a fio, elas lutam para prosperar quando esse tempo se estende por meses.

A Scientific American relata que, entre junho de 2018 e julho de 2019, os EUA experienciaram os seus 12 meses mais chuvosos alguma vez registados e que “as enchentes de primavera de 2019 ao longo do Mississippi estão entre as mais prejudiciais da história moderna.” As inundações na área pioraram progressivamente nos últimos 150 anos e é provável que continuem nessa direção à medida que as alterações climáticas se intensificam.

A enchente não apenas dificulta o crescimento das árvores, mas impede que as madeireiras entrem nas regiões pantanosas para colher madeira. A sua janela de oportunidade é menor.

Por outro lado há o besouro-verde, uma praga asiática que matou dezenas de milhões de árvores na América do Norte desde a sua chegada ao continente em 2002. Os esforços para desacelerar a sua disseminação têm sido em grande parte mal sucedidos, e a preocupação é tão grande em algumas partes da região do Mississippi onde as madeireiras começaram a tirar todos os freixos que podem obter, simplesmente para salvá-los do besouro.

Jennifer Koch, bióloga do Serviço Florestal, disse à Scientific American que essa decisão “faz sentido nas circunstâncias atuais, embora deixe menos árvores para o futuro”.

Há várias alternativas ao freixo de pântano, contudo esta madeira é a mais apreciada devido à sua leveza, o que acaba por se transformar num som único.

Outras madeiras têm poros diferentes, ou mesmo pesos diferentes, o que conferirá um som diferente às guitarras e baixos e, certamente, desanimará músicos um pouco por todo o mundo.

O amieiro vermelho foi utilizado como uma alternativa mais barata aos freixos no passado e pode tornar-se mais comum em instrumentos. Também há esforços em andamento para criar uma nova espécie de freixo resistente ao besouro-verde, mas esse é um projeto de longo prazo sem benefícios imediatos.

Enquanto isso, os músicos podem ter que se acostumar com a ideia de que a guitarra dos seus sonhos pode não soar exatamente como queriam, e a culpa é das alterações climáticas.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...