Este drone aquático recolhe lixo de rios, marinas e portos



A poluição das águas devido à incorreta deposição dos resíduos é um problema que a sociedade tem vindo a tentar solucionar. Além das várias medidas e políticas que se têm aplicado, também se tem pensado no papel que as tecnologias podem ter para ajudar a mitigar este tipo de poluição.

A RanMarine Technology, uma empresa dos Países Baixos, criou o WasteShark, um drone aquático que recolhe lixo de rios, linhas de água, marinas e portos. Este drone tanto pode funcionar de forma autónoma como telecomandada, e consegue remover lixo e mantéria orgânica que flutua, monitorizando, ao mesmo tempo, a qualidade da água. Tem uma capacidade de armazenar 180 litros de lixo – sendo o mesmo descarregado – e podem remover até 500kg de resíduos por dia. Funciona entre 8 (modo manual) a 10 horas (modo autónomo) por dia, sem emitir quaisquer emissões, e quando começa a ficar sem bateria regressa à sua estação. O seu sistema impede que vá contra objetos, evitando assim colisões com embarcações.

Este ano, a empresa lançou também o SharkPod, uma estação flutuante autónoma que funciona durante 24 horas e que permite que os drones depositem o lixo, recarreguem e voltem à água. Com uma capacidade para ancorar cinco drones, os fundadores esperam que esta permita remover até 100 toneladas de resíduos por mês.

De acordo com a RanMarine Technology, existem atualmente 26 WasteSharks a recolher lixo em vários países do mundo, entre eles, Reino Unido, Singapura, Estados Unidos e Países Baixos.

@RanMarineTech
@RanMarineTech / O drone fora de água.


Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.