Este é o primeiro caranguejo da era dos dinossauros encontrado em âmbar



Um caranguejo da ordem Brachyura preservado em âmbar foi encontrado em 2015 num mercado em Tengchong, China. Agora, após análise de uma equipa internacional de paleontólogos, é possível confirmar que se trata do mais antigo fóssil de caranguejo descoberto e o mais completo alguma vez encontrado.

O fóssil viveu no período do Cretáceo, há cerca de 99 a 100 milhões de anos atrás. De acordo com os cientistas, é raro encontrar um fóssil de organismos aquáticos, o que o torna ainda mais único.

Como relata a Universidade de Havard, o animal estava tão bem preservado que foi possível observar os seus tecidos, guelras, antenas e as peças bucais revestidas com pêlos finos. “O espécime é espetacular, é único. É absolutamente completo e não falta um único fio de cabelo no corpo, o que é notável”, afirma Javier Luque, autor principal do estudo agora publicado na revista Science.

A espécie foi nomeada Cretapsara athanata, que significa algo como “espírito cretáceo imortal das nuvens e águas”. Na primeira parte do nome, os especialistas fazem ligação com o período geológico no qual viveu e para Apsara, o espírito das nuvens e das águas na mitologia asiática. Na segunda parte, inspiraram-se na palavra “athanatos”, que significa imortal em grego, pelo facto da espécie ter sido tão bem conversada no âmbar.

Os especialistas pensam que, o fóssil de dois milímetros de comprimento, pode ter sido um caranguejo juvenil de uma espécie de água doce, ou um caranguejo juvenil semi-terrestre que migrava da água para a terra.

 

DOI: 10.1126 / sciadv.abj5689


Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.