Animais de extremos

Uma das coisas que se aprende nas aulas de ciência é que a natureza nos tenta constantemente matar, diz o RealClear. No entanto, existem criaturas que, face às condições mais adversas à vida, dificilmente morreriam. Conheça-as aqui.

1.Verme do diabo

Sobrevive a: elevadas temperaturas, falta de oxigénio e elevada pressão

Esta espécie de organismos, que pertence ao filo dos nemátodas, e foi apenas descoberta em 2011, foi encontrada a mais de 3,5 quilómetros de profundidade. Estes organismos passam toda a sua vida na escuridão total, alimentando-se de água com mais de 12 mil anos e pequenas bactérias.

2.Aranha-saltadora dos Himalaias

Sobrevive a: baixas pressões, baixas temperaturas

A aranha-saltadora dos Hiamalias é o animal que vive a maior altitude, cerca de 6,6 quilómetros acima do nível da água do mar. Consegue sobreviver longos períodos sem se alimentar e enfrentar temperaturas bastante abaixo dos zero graus Celsius. Também está preparada para enfrentar baixas pressões atmosféricas. A única fonte de alimentação deste animal são pequenos insectos, que são empurrados para altitudes elevadas pelo vento.

3.A medusa imortal

Sobrevive a: processo natural de envelhecimento

Esta medusa possui a habilidade de regressar à infância perante condições adversas, o que a torna teoricamente imortal. De acordo com os estudos feitos a esta espécie de medusa, parece não existir limite de vezes para este retrocesso de idade. Porém, ao voltarem aos primeiros tempos de vida, estes animais tornam-se vulneráveis a doenças e predadores.

4.Besouro vermelho de carapaça plana

Sobrevive a: temperaturas negativas

Este insecto, nativo de locais como o Alasca e o Canadá, consegue sobreviver a temperaturas negativas, até cerca de menos 150 graus Celsius. Este besouro produz uma proteína que impede que o sangue congele. Por sua vez, o sangue deste animal está enriquecido com glicerol que atrasa do processo de congelamento.

5.O verme de Pompeia

Sobrevive a: elevadas temperaturas, grandes variações de temperatura

Este verme dos oceanos vive exclusivamente em fontes hidrotermais de grande profundidade. Quando caçam, os vermes de Pompeia deixam metade do corpo dentro da fonte hidrotermal, o que significa que a cauda fica sujeita a temperaturas na ordem dos 80 graus Celsius, ao passo que a cabeça fica fora da fonte, logo a uma temperatura muito mais baixa. É um revestimento, na superfície corporal, de bactérias especializadas que permite a este ser sujeitar-se a grandes variações de temperatura.

6.Tardígrado

Sobrevive a: quase tudo

Os tardígrados são um filo de pequenos animais segmentados, parentes dos artrópodes, conhecidos popularmente como ursos-d’água. De envergadura milimétrica, estes seres conseguem viver em quase todas as condições. Conseguem sobre viver a temperaturas entre os zero e 149 graus Celsius, a pressões atmosféricas 1200 superiores que a normal. Sobrevive também à desidratação, já que consegue passar dez anos sem água. Quanto à radiação, suporta uma dose letal mil vezes superior à dose letal para o ser humano. Para testar a resiliência do tardígrado, em 2007, refere o Real Clear, um grupo de cientistas enviou estes seres para o espaço. Os animais voltaram completamente incólumes. Quando observados ao microscópio, estes seres apresentam um aspecto estranhamente adorável.