Flash Forest. A empresa que espera plantar mil milhões de árvores até 2028

Aumentar as florestas da Terra, com uma área do tamanho dos Estados Unidos, poderia reduzir o dióxido de carbono atmosférico em 25%. O relatório “O potencial global de restauração de árvores” , publicado na revista Science, revelou que existe terra suficiente para aumentar a cobertura florestal mundial em um terço, sem afetar cidades ou agricultura. “O nosso estudo demonstra claramente que a restauração florestal é a melhor solução disponível neste momento”, disse Tom Crowther, investigador no ETH Zürich e líder sénior do estudo.

Esta ainda é uma meta distante, mas para começar, a ideia da Flash Forest é plantar 40 mil árvores com a ajuda de drones numa área devastada por queimadas no norte de Toronto, Canadá. A partir daí a startup vai ampliar sua atuação para outras regiões e tem como meta plantar mil milhões de árvores até 2028.

De acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, a humanidade precisa de plantar mil milhões de hectares de árvores para que possamos ter a esperança de limitar o aquecimento global a 1,5°C. Isso representa uma área reflorestada do tamanho dos Estados Unidos. E a Flash Forest é uma entre muitas startups que apostam nos drones como alternativa para concretizar este objectivo.

“Os drones têm potencial para plantar 10 vezes mais rápido do que os humanos”, explica Angelique Ahlstrom, gestor da Flash Forest. Ao iniciar um novo projeto de reflorestamento, a Flash Forest mapeia a área e identifica quais são os locais mais indicados para o plantio, de acordo com o tipo de solo e vegetação já existente. Na etapa seguinte, os “drones plantadores”, entram em ação, depositando com precisão cápsulas de sementes nos locais indicados. Estes drones tem inclusive um dispositivo pneumático de disparo de sementes que pode ser usado em terrenos mais difíceis.

Além dos drones de última geração, a empresa usa software de mapeamento aéreo, automação e ciência ecológica para reflorestar, sobretudo áreas atingidas por incêndios.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...