Florestas cresceram nos últimos 20 anos o equivalente ao tamanho de França (mas ainda há muito por fazer)

Novo estudo demonstra a capacidade das florestas de se regenerarem, mas ainda há muito a fazer.

Quase 59 milhões de hectares de florestas – uma área maior do que a França continental – cresceram desde 2000, de acordo com uma nova análise publicada pela Trillion Trees, uma joint venture entre o World Wildlife Fund (WWF), BirdLife International e a Wildlife Conservation Society (WCS).

Esta área de floresta tem potencial para armazenar o equivalente a 5,9 gigatoneladas de CO2 – mais do que as emissões anuais dos Estados Unidos.

O estudo aponta a Mata Atlântica no Brasil como um dos casos de sucesso da regeneração. Estima-se que 4,2 milhões de hectares – uma área quase do tamanho da Holanda – cresceram na área desde 2000 através de uma combinação de projetos planeados para restaurar a floresta, práticas industriais mais responsáveis ​​e outros fatores, incluindo tendências de migração em direção às cidades. No entanto, há muito mais a ser feito para proteger e recuperar esse importante bioma.

“O desmatamento está no centro da nossa crise climática e devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para detê-lo”, disse Josefina Braña Varela, vice-presidente e vice-líder para as florestas do WWF. “Além disso, a restauração das nossas florestas naturais terá um papel essencial na preservação destes ecossistemas críticos. A análise fornece uma perspectiva positiva para a regeneração natural, mas esse crescimento não acontece sem um planeamento cuidadoso, maior investimento e políticas fortes em vigor que levam a um aumento na cobertura florestal.”

Nas florestas boreais da região selvagem do norte da Mongólia, o estudo sugere que 1,2 milhões de hectares de floresta se regeneraram nos últimos 20 anos, em parte graças ao trabalho do WWF e ao aumento da ênfase nas áreas protegidas pelo governo da Mongólia. Outros pontos críticos de regeneração incluem a África Central e as florestas boreais do Canadá.

O estudo foi elaborado para ajudar a informar sobre os planos de restauração florestal em todo o mundo, dando uma imagem das áreas onde concentrar os esforços de restauração poderia ser mais benéfico. É parte de um projeto de pesquisa de dois anos que envolveu o exame de mais de 30 anos de dados de imagens de satélite e levantamento de especialistas com conhecimento local de mais de 100 locais em 29 países diferentes. O projeto segue o mapa de frentes de desmatamento do WWF, publicado no início deste ano, que mostrou a extensão alarmante em que o mundo está a perder florestas.

O mapa foi desenvolvido através de uma abordagem científica rigorosa, mas os investigadores reconhecem as limitações de trabalhar com dados de sensoriamento remoto e estão à procura de mais informações para validar ou ajustar o mapa e aprofundar a sua compreensão das condições que levaram à regeneração. A Trillion Trees está a convidar pessoas com conhecimento prático para contribuir online via forestregeneration@trilliontrees.org.

“Este mapa será uma ferramenta valiosa para conservacionistas, formuladores de políticas e financiadores para melhor compreender as várias maneiras pelas quais podemos trabalhar para aumentar a cobertura florestal para o bem do planeta”, disse John Lotspeich, diretor executivo da Trillion Trees.

“Os dados mostram o enorme potencial dos habitats naturais para se recuperar quando têm a chance de fazê-lo. Mas não é uma desculpa para qualquer um de nós esperar que isso aconteça. Através dos nossos parceiros na BirdLife International, WCS e WWF, a Trillion Trees tem trabalhado duro para identificar e proteger as áreas onde há potencial para regeneração natural desses preciosos ativos e aprender com os nossos sucessos para promover a regeneração natural em outros lugares numa escala ainda maior. ”

Os autores do estudo alertam que sinais encorajadores de regeneração não podem ser tomados como garantidos. As florestas em todo o Brasil enfrentam ameaças significativas hoje, até mesmo a Mata Atlântica – uma história de sucesso reconhecida em restauração. É tal a extensão do desmatamento histórico que a área dessa floresta única ainda precisa mais do que dobrar dos atuais 12% da sua extensão original para 30%, de forma a de atingir o que os cientistas acreditam ser um limite mínimo para a sua conservação duradoura.

“Mesmo sendo um esforço exploratório, ele ainda destaca o potencial que a habilitação e consolidação da regeneração tem para mitigar as mudanças climáticas e garantir os benefícios da biodiversidade”, disse Naikoa Aguilar-Amuchastegui, diretora sénior de ciência do carbono florestal do WWF e responsável pelos dados da equipa de análise. “No entanto, isto continua difícil de mapear e há muito trabalho adicional pela frente.”

Preparado com inteligência mais detalhada sobre oportunidades de regeneração, Trillion Trees planeja convidar pais locaisrtners e financiadores verdes para ajudar a facilitar novos empreendimentos de restauração de paisagem, com foco em áreas que oferecem o máximo de benefício para ecossistemas vulneráveis e comunidades locais.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...