Geólogos americanos “ressuscitam” placa tectónica desaparecida

A existência de uma placa tectónica chamada “Ressurreição” tem sido um tópico de debate entre os geólogos, com alguns a argumentar que tal placa nunca existiu.

Por outro lado, há especialistas que afirmam que esta placa foi subduzida – movida para os lados e para baixo – no manto da Terra em algum lugar da Margem do Pacífico entre 40 e 60 milhões de anos atrás.

Uma equipa de geólogos da Faculdade de Ciências Naturais e Matemática da Universidade de Houston, EUA, acredita ter encontrado a placa perdida no norte do Canadá usando imagens existentes de tomografia do manto – semelhante a uma tomografia computadorizada do interior da Terra. As descobertas, publicadas no Geological Society of America Bulletin, podem ajudar os geólogos a prever melhor os riscos vulcânicos, bem como os depósitos de minerais e hidrocarbonetos.

“Os vulcões formam-se nos limites das placas, e quanto mais placas existirem, mais vulcões há”, disse Jonny Wu, professor assistente de geologia no Departamento de Ciências da Terra e Atmosféricas em comunicado. “Os vulcões também afetam as alterações climáticas. Então, quando se está a tentar modelar a Terra e entender como o clima mudou, queremos saber quantos vulcões existem na Terra. ”

Wu e Spencer Fuston, um estudante de doutorado em geologia do terceiro ano, aplicou uma técnica desenvolvida pelo UH Center for Tectonics and Tomography chamada “slab unfolding” para reconstruir como as placas tectónicas no Oceano Pacífico pareciam durante o início da Era Cenozóica. A rígida camada externa da Terra, ou litosfera, é quebrada em placas tectónicas e os geólogos sempre souberam que havia duas placas no Oceano Pacífico naquela época, chamadas Kula e Farallon. Mas tem havido discussão sobre uma possível terceira placa, “Ressurreição”, que formou um tipo especial de cinturão vulcânico ao longo do Alasca e do estado de Washington.

“Acreditamos ter evidências diretas de que a placa “Ressurreição” existiu. Também estamos a tentar resolver um debate e defender qual lado nossos dados apoiam ”, disse Fuston.

Usando a tecnologia de mapeamento 3D, Fuston aplicou a técnica de desdobramento de placas às imagens de tomografia do manto para retirar as placas subduzidas antes de desdobrá-las e esticá-las às suas formas originais.

“Quando ‘elevado’ de volta à superfície da Terra e reconstruído, os limites desta antiga placa tectónica combinam bem com os antigos cinturões vulcânicos no estado de Washington e no Alasca, fornecendo uma ligação muito procurada entre o antigo Oceano Pacífico e a área geológica da América do Norte”, explicou Wu.

Este estudo foi financiado por um prémio de Carreira da National Science Foundation de cinco anos.

A animação abaixo mostra a subducção das placas tectónicas Kula, Farallon e Ressurreição no oeste da América do Norte de há 60 milhões de anos até aos dias atuais.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...